Aterro sanitário quase ecológico atrai turistas

Quem poderia imaginar que um aterro sanitário viraria atração turística? O aterro Pulau Semakau em Cingapura conseguiu essa façanha. Foram 13.000 visitas em 2010 e a lista de espera para quem quiser conhece-lo é de até quatro meses. Cingapura é um micro país densamente povoado que fica em uma ilha do sudoeste asiático. Em Cingapura cada metro quadrado é valioso. O aterro foi construído sobre duas pequenas ilhas próximas entre si e seu projeto foi pensado para resolver a questão do resíduo soído usando uma área bastante reduzida. O lixo de Cingapura é levado em barcaças até o aterro depois de ser incinerado, o que reduz seu volume em mais de 90%.

Continue lendo “Aterro sanitário quase ecológico atrai turistas”

Remédio vencido também precisa de coleta seletiva

Aos poucos a coleta seletiva de resíduos está se expandindo. Agora é a vez dos remédios vencidos que em São Paulo ao menos já contam com postos de coleta. Quem acompanha a evolução da consciência ambiental há mais tempo como eu lembra que há alguns anos atrás a luta era fazer as pessoas colocarem o lixo na lixeira. Com o tempo, surgiu a coleta seletiva básica que consiste em separar o lixo reciclável do resto não reciclável. Mais tarde, surgiram as quatro lixeiras coloridas para separar plástico, metal, papel e vidro. Depois vieram algumas lixeiras a mais como a marrom para lixo orgânico e a laranja para os perigosos. Mas isso tudo ainda não é suficiente. Existe a coleta de resíduos especiais como baterias, pilhas, óleo comestível, caliça, podas de árvores e lixo hospitalar. Indo por essa linha, os remédios vencidos também devem ser tratados como resíduo especial. O descarte sem critério pode causar problemas de contaminação ambiental, além do risco de serem utilizados indevidamente. O descarte correto do remédio vencido não é só uma questão ambiental, mas de saúde. Em casa, os remédios vencidos são uma ameaça, principalmente às crianças. Jogados no lixo comum podem ser consumidos indevidamente.

Continue lendo “Remédio vencido também precisa de coleta seletiva”

Para onde irá o entulho da Copa 2014?

A realização da Copa do Mundo no Brasil em 2014 está movimentando a construção civil. Grandes obras começam a ser realizadas e, na maioria dos casos, elas começam com grandes demolições. São montanhas de entulho geradas para permitir a ampliação ou reconstrução de estádios e de outras obras ligadas ao evento. A destinação do entulho é um sério problema ambiental e com os olhos do mundo voltados para o Brasil é importante darmos um exemplo de que somos um país com vocação para liderar a economia verde.

Continue lendo “Para onde irá o entulho da Copa 2014?”

Uma cidade que precisa importar lixo

Boras na Suécia importa lixo, pois a produção própria não é suficiente para abastecer seus geradores de biogás. A cidade de 64 mil habitantes é modelo em tratamento de resíduos sólidos. Apenas 4% do resíduo gerado na cidade é enviado para o incinerador e é utilizado como fonte de energia térmica. A maior parte do lixo é tratado com a cooperação dos moradores, da Universidade e empresas locais. Uma parte do resíduo é reciclada e outra usada para produção de biogás para abastecer a frota de ônibus, casas e o comércio local.

Continue lendo “Uma cidade que precisa importar lixo”

Uma pilha de pilhas

Esta semana fui à agência Santander próxima do meu trabalho para descarregar um pote de pilhas velhas. O Santander patrocina o programa Papa-Pilhas e mantem pontos de coleta em suas agências para recolher pilhas, baterias e celulares usados. Esse programa já recolheu centenas de toneladas de pilhas e baterias  e as encaminhou para a empresa paulista Suzaquim que processa o material e gera matéria prima para a indústria cerâmica. Saí da agência com a consciência pelo menos três quilos mais leve. No caminho, fiquei pensando: como consegui juntar tantas pilhas? Tá certo que foram alguns anos colecionando metais pesados. Como eu não encontrava um ponto de coleta armazenei as pilhas em casa por um longo período. Pilhas na lanterna, no controle remoto, em brinquedos; é incrível como elas estão espalhadas pelo nosso dia-a-dia. Uma rápida contabilidade me revelou que ainda existem muitos equipamentos movidos a pilhas e baterias lá em casa. Veja a lista. Será que na sua casa a situação é parecida?

Continue lendo “Uma pilha de pilhas”