Google Wave: como a Microsoft não pensou nisso?

O e-mail é a ferramenta mais antiga e mais usada da Internet e, obviamente, poderia ser melhor. Estamos tão acostumados com ele que nem nos damos conta da sua improdutividade jurássica. Quer exemplos? Quando alguém envia um e-mail para várias pessoas propondo uma discussão começa a bagunça. Quem se entende no meio a tanta resposta da resposta da resposta? Por que ao enviar um anexo para várias pessoas, cada uma delas tem que receber uma cópia do arquivo em vez de acessar um exemplar único guardado em banco de dados? O que fazer para evitar que 98% da sua correspondência seja formada por spam? Usar filtros antipam, obviamente, mas o problema é que filtros anti-spam rígidos somem com mensagens úteis.

Se você depende do e-mail para sobreviver, provavelmente é porque está na estrada digital há uns bons anos. A garotada que está chegando agora, não depende de e-mail para viver. Eles usam rede social, mensagens instantâneas, Twitter, etc. Então por que o e-mail não incorpora todos esses avanços? Por que o reply de uma mensagen não pode virar mensagem instantânea se o destinatário estiver on-line? Todas essas demandas podem estar próximas de ser atendidas com a chegada iminente do Google Wave. Esse serviço que opera em fase piloto vem com uma proposta nova para o e-mail. O serviço se define como o e-mail, caso ele tivesse sido inventado hoje. O Google Wave integra mensagens de e-mail com banco de dados, rede social e mensagens instantâneas. Em vez de passar mensagens eletrônicas, você despacha blips, que formam waves. Uma wave é uma espécie de conversa digital estruturada que pode envolver muitas pessoas. Na wave, a sequência de blips é organizada para o usuário pegar o fio da meada facilmente e percorrer o histórico da discussão.

A ideia do Google Wave parece muito boa, mas se vai dar certo é outra história. Tenho lido críticas ao Wave vindas de usuários que participam da fase piloto. Esses críticos dizem que o Wave é um pouco confuso e disperso. Será que o Wave é uma solução que chegou antes do tempo? Será apenas uma questão de ajustes? Será que falta apenas os usuários pegarem a ideia? Isso veremos em breve quando o Wave for lançado para o grande público.


Veja também: Calendário permanente em Excel

Este calendário vai de 1900 a 2100 e traz feriados, fases da lua, datas comemorativas, estações do ano, horário de verão e algumas coisas mais. Baixe a planilha gratuitamente no link abaixo.

Assista ao vídeo para saber como a planilha funciona.

E a Microsoft que é dona do Hotmail, do Live Messenger, do Exchange Server? Eles tem a faca e o queijo na mão para dar as cartas nessa área e ficam apenas apenas na platéia vendo o Google apontar o caminho. Será que a Microsoft perdeu a garra dos primeiros tempos ou foi atingida por algum misterioso raio paralisante?

Comente com Facebook

One thought on “Google Wave: como a Microsoft não pensou nisso?

  1. Radamés 18/09/2010 at 12:01

    Escrevi este post em 2009, logo após o lançamento do Google Wave em escala piloto. Nem imaginava que um ano depois o Google anunciaria a descontinuidade desse produto. O Google Wave não pegou e mal saiu da sua fase piloto. Houve muita notícia em torno dele durante o lançamento por conta de que tudo que vem do Google repercute mundialmente.
    Será que não chegou a hora do e-mail evoluir? Será que a proposta de evolução do Google era confusa?
    Com a descontinuidade do Google Wave ficamos de novo aguardando pela ferramenta universal de comunicação digital.

Sua opinião me interessa