Instagram versus Flickr

O Instagram tem recebido os holofotes da imprensa desde que começou a fazer sucesso. A novidade mais recente da dessa rede social de fotografias, porém não teve a repercussão desejada. Estamos falando da atualização polêmica de seus termos de uso. Quem leu e interpretou o texto diz que o Instagram pode comercializar as fotos publicadas no serviço sem pedir autorização ao fotógrafo e, pior, sem ter que remunerá-lo. A incerteza sobre o destino das fotos publicadas no Instagram causou uma corrida pelo descadastramento do serviço. A revista National Geographic, por exemplo, desativou sua conta no Instagram até que haja melhores esclarecimentos sobre a questão dos direitos autorais.

Muitos usuários do Instagram deram boas risadas ao saber do novo termo de uso. “Quem vai pagar por minhas fotos de hambúrguer?” Tudo bem, a maior parte das fotos publicadas por lá são mero lixo cibernético sem valor comercial. No entanto, não devemos analisar o Instagram pelo que é hoje, mas pelo que pode vir a ser um dia. Será que ele vai engolir o Flickr, este sim, o serviço de compartilhamento de fotos oficial do planeta?

Por enquanto, as comparações entre o Instagram e o Flickr apenas irritam os flickerianos, entre os quais me incluo. Comparando o momento atual dos dois serviços, a única coisa a dizer é sorry Instagram, mas fotografia é para fotógrafos e o lugar onde eles se encontram é no Flickr. Mas, porém, considerando que na Internet o quadro se altera muito rápido, faz sentido compararmos o Instagram com o Flickr para entender o que pode acontecer com a fotografia nos próximos anos.

Quem controla?

O Instagram foi comprado pelo Facebook, rede social de 1 bilhão de usuários que domina o panorama da Internet atual e tem força para alavancar qualquer serviço.

O Flickr é controlado pelo Yahoo! empresa ícone da Internet 1.0, mas que enfrenta uma lenta decadência e tem dificuldades para se reinventar.

Vantagem para o Instagram.

Alcance

O Instagram funciona em dispositivos móveis com Android ou iOS, o que inclui smartphones como Samsung Galaxy e tablets como o iPad.

O Flickr funciona na Web e em vários dispositivos móveis, embora esteja devendo melhor presença em dispositivos como o iPad.

Essas coberturas diferentes refletem o período em que cada serviço foi criado. O Flickr nasceu em 2004, época em que sequer havia smarphones e tablets à venda. O Instagram nasceu em 2009 como aplicativo de iPhone.

Ponto para o Flickr.

Câmeras

O Instagram só funciona em dispositivos móveis, logo as câmeras que podem ser usadas com ele são as de celulares e tablets.

O Flickr permite upload via web, logo é compatível com qualquer câmera. A mais usada no Flickr é a do iPhone, mas as câmeras que vem na sequência são modelos da Nikon e Canon. Vamos dizer o que é: não dá para pensar em uma rede social séria de fotografia incompatível com Canon e Nikon.

Vitória para o Flickr

Exibição das imagens

O Instagram tem filtros artísticos exclusivos para “embelezar” as fotos, deixa as fotos sempre quadradas e como é pensado para telas pequenas tem limitações na exibição das imagens. O Flickr não tem filtros, permite qualquer proporção de imagem e exibe as imagens em várias opções de resolução.

Flickr vencedor.

Comercialização

O Flickr permite que o fotógrafo defina as regras comerciais de seu trabalho e tem parceria com a Getty Images. A posição do Instagram nessa questão é nebulosa, mas não está agradando os fotógrafos que produzem fotos de interesse comercial.

Ganha o Flickr.

Qualidade do acervo

O Flickr é frequentado por bons fotógrafos, tem foco no compartilhamento de imagens e valoriza as melhores fotos. O Instagram tem as mesmas características, mas tem um público mais genérico o que desloca seu foco mais para o relacionamento do que para a fotografia. Não seria elegante comparar a qualidade das melhores fotos do Flickr com as melhores do Instagram, mas quem resolver fazer isso com espírito isento vai perceber a superioridade de uma das redes.

Como flickeriano eu espero que minha rede social favorita aproveite a oportunidade aberta pela polêmica Instagram para apresentar novidades ousadas aos internautas e, dessa forma manter sua relevância para os fotógrafos do mundo inteiro. Para o Instagram também desejo boa sorte, boas ideias e boas fotos porque concorrência de qualidade é o motor da inovação.

.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Sua opinião me interessa