Arquivo da tag: aço

Museu Guggenheim Bilbao

Creio que não sou o único a ficar perturbado com o impacto visual que o Museu Guggenheim Bilbao provoca em quem o admira. Suas formas lembrariam um navio? Suas placas de titânio seriam como escamas de peixe? Seus volumes de aço seriam como bandeiras tremulando? Ou talvez, a imprevisibilidade das formas desse prédio seja nada mais do que um premeditado caos organizado.

Museu Guggenheim Bilbao
Continue lendo Museu Guggenheim Bilbao

Ponte JK

Pontes nos levam à ideia de superação. Do ponto de vista da arquitetura nos encantamos com a superação de obstáculos naturais, tecnológicos e estéticos. Gostamos de pontes que vencem grandes vãos, que se assentam sobre terreno inóspito, que se projetam a grandes alturas e que vão até os limites da técnica. Melhor ainda se além de tudo, se destacarem pela beleza. É o caso da Ponte JK (Juscelino Kubitschek) em Brasília. Com 1.200 metros de extensão, vãos livres com até 240 metros a pista dessa ponte pênsil parece flutuar sobre o lago Paranoá. Seus três arcos de aço sugerem os saltos em trajetória parabólica de uma pedra arremessada contra a linha da água.

Ponte JK em Brasília

O posicionamento dos arcos transversais à pista e alternados entre si perturbam o olhar de quem espera a simetria monótona. Quem cruza a ponte em cada ponto da travessia se defronta com uma perspectiva inusitada. Um projeto com as características da Ponte JK, com toda sua complexidade só foi possível, provavelmente, graças ao cálculo estrutural auxiliado por computador. É a informática dando asas para a imaginação dos arquitetos. A ponte não é a maior do mundo, nem tem o maior vão ou a maior altura, mas é forte concorrente ao título de mais bela.

Continue lendo Ponte JK

Casa Farnsworth

Uma casa de campo feita de aço e vidro. A ideia podia parecer estranha, afinal ainda hoje esse tipo de construção está associado a técnicas mais rústicas e materiais tradicionais. O ar tecnológico da combinação aço vidro, tipicamente modernista, começava a ser visto em arranha-céus, mas não em áreas rurais na década de 1950. O resultado da ideia inusitada, porém, foi um sucesso.  Originalmente construída para o veraneio da médica americana Farnsworth, a casa hoje é um museu aberto à visitação de todos que apreciam a melhor arquitetura.

Casa Farnsworth
Continue lendo Casa Farnsworth

Casa de vidro

Ainda hoje a Casa de vidro causa impacto e gera polêmica. É uma casa, certo? Embora tenha um ar de projeto conceitual seu criador, o arquiteto Philip Johnson, a usou como casa de veraneio por muitos anos. O primeiro impacto que a casa me provoca tem a ver com a questão da privacidade. Como é toda rodeada de vidro os moradores ficam expostos aos olhares que vem de fora. Bem, esse talvez seja o principal paradigma rompido pela casa de vidro: se por um lado os moradores podem ser vistos, também têm uma ótima perspectiva para verem o que os rodeia. É como se a casa fosse a continuação do entorno. Considerando que se trata de uma casa de campo rodeada pelo verde e que não há vizinhos curiosos em volta, a possibilidade de apreciar o entorno sobrepõe o instinto da privacidade.

Casa de vidro de Philip Johnson



Outro impacto da casa de vidro é a ausência de divisões internas. Nada de paredes separando quarto, sala, cozinha, etc. A única área cercada por paredes é o banheiro. É a simplicidade levada ao extremo no projeto e no mobiliário. Trata-se de uma casa simples para um casal disposto a levar uma vida frugal.
Também impressiona na casa de vidro o uso de materiais incomuns nesse tipo de construção até então. Aço e vidro se tornaram uma marca da arquitetura modernista em edificações comerciais, mas não nas residenciais. Os materiais usados deram ao projeto uma simplicidade e elegância notáveis. Linhas retas que tem como único contraponto o cilindro central do banheiro. A ausência de águas no telhado rompe com uma longa tradição. Águas para que, não é mesmo? Outras áreas complementam o conjunto da Casa de vidro como a Casa dos hóspedes, a piscina e o ateliê.
O conceito da casa de vidro não se adapta a qualquer situação, obviamente. Em locais quentes com muita insolação ela acabaria funcionando como uma estufa, mas hoje não é difícil encontrar casas com amplas áreas envidraçadas. Os lofts são exemplo de habitação sem paredes. Casas sem águas inclinadas no telhado também se tornaram comuns. Tudo indica que os princípios colocados na casa de vidro fermentaram e foram assimilados.

Continue lendo Casa de vidro