Alegoria – figura de linguagem

A alegoria se assemelha à metáfora em muitos pontos. Poderia até ser considerada uma metáfora do tipo III. Resolvemos considerá-la isoladamente em função de sua relevância e particularidades.

Alegoria contextualizada

Intuitivamente, a alegoria contextualizada ocorre quando um enunciado passível de leitura imediata transmite um significado impróprio ou deslocado do contexto extra verbal em que é lançado, fazendo o receptor pensar num segundo enunciado apropriado ao contexto que tenha com o primeiro uma relação de similaridade.

Os ditados populares são alegorias contextualizadas:

  • Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
  • Mais vale um pássaro na mão que dois voando.
  • Casa de ferreiro, espeto de pau.

Os dois enunciados da alegoria, o substituto e o substituído, devem ser pertinentes a uma mesma classe de enunciado genérico. Os três elementos da alegoria contextualizada são:

  • enunciado alegórico ou substituto;
  • enunciado substituído;
  • enunciado genérico.

Um exemplo baseado num ditado popular: Imaginemos alguém se queixando para um amigo por não conseguir conquistar a amada. O outro lhe diz: ‘Água mole em …’

  • Enunciado alegórico: ‘Água mole em …’.
  • Enunciado substituído: ‘Não desista! Ela há de ceder’.
  • Enunciado genérico: ‘A perseverança quebra lentamente as resistências’.

Pode-se questionar se a decifração de uma alegoria contextualizada é o enunciado particular adequado ao contexto ou, se ao contrário, é o enunciado genérico. Ambos são pertinentes. Cada receptor adotará a solução que julgar mais conveniente.

Excelência da alegoria contextualizada

A alegoria será melhor quando:

  • o enunciado alegórico for mais característico que o enunciado geral;
  • o enunciado alegórico atenuar ou intensificar com mais eficácia que o enunciado substituído;
  • o enunciado for novo, criativo.

Alegoria não contextual

Consideremos o livro A Metamorfose, de Kafka. Numa certa manhã, o personagem Gregor Samsa acorda transformado num repulsivo inseto. Será que Kafka, gênio da literatura, pretendia exclusivamente contar uma pitoresca história de um homem transformado em inseto?

É provável que estejamos diante de um recurso literário, que também é recurso de Retórica, que consiste em dizer uma coisa querendo dizer outra. Neste caso, a situação é bem diversa da que ocorre na emissão das alegorias contextualizadas. Para a alegoria de Kafka não está determinado o contexto em que ela se aplica. É o leitor que deve, por sua conta e risco, definir o que substitui o enunciado alegórico kafkiano. Trata-se de uma alegoria com semântica aberta.

Recursos retóricos (Figuras de linguagem)

Veja também:

Temos que falar o português correto? Uma questão polarizada há décadas.

Download gratuito:

  Conjugador de verbos em Excel

   Narratologia – a arte de contar histórias

   Elementos de Retórica

Sua opinião me interessa