Ordem

O uso retórico da ordem é vasto. Há vários  tipos de ordem a considerar.

Ordem de emissão

É aquela que rege a emissão dos signos do discurso. No discurso oral é linear e temporal, ou seja, cada signo é emitido individualmente numa seqüência ao longo do tempo. A exceção é a dos discursos orais sobrepostos, quando mais de uma mensagem é veiculada no mesmo lapso de tempo. Basta lembrar dos quartetos da ópera lírica ou da música coral.

No discurso escrito a ordem de emissão é espacial, visual, é uma ordem de edição. A ordem de emissão escrita é ditada pela convenção. Na escrita ocidental, por exemplo, convencionou-se que a escrita deve ser da esquerda para direita, de cima para baixo e as páginas devem ser viradas no sentido anti-horário. Esta convenção é conseqüência da linearidade do discurso lingüístico. Romper ou não com as convenções é decisão para quem edita, que arcará com os benefícios ou prejuízos disto.

Uma decisão vital sobre ordem de edição é como distribuir na página partes do discurso segmentado. Esse problema é típico do jornalismo, que tem de encontrar a melhor solução para ordenar no espaço títulos, subtítulos, legendas, textos, etc.

Ordem de recepção

É aquela que rege a interiorização do discurso. No discurso oral, essa ordem não está a critério de quem ouve, mas de quem emite. Na oralidade, a ordem de recepção coincide com a de emissão. Exceção se faz à liberdade do ouvinte para concentrar sua atenção num ou noutro discurso nos casos de sobreposição.

No discurso escrito,  o leitor é quem decide a ordem de interiorização. Diante de uma página de jornal, o leitor selecionará de acordo com a sua vontade a ordem de leitura. Essa liberdade do leitor não é incontrolável nem arbitrária. Há recursos de Retórica para manipular sua vontade. É provável que um leitor comece a leitura pelo título, pelo corpo tipográfico maior ou pelo texto de menor extensão, seguindo as regras da atratividade.

Considerando conhecida a ordem de recepção, é possível pensar num outro nível de ordenação que admite duas possibilidades: pelo significante ou pelo significado.

Ordenação pelo significante

É aquela em que a ordem das partes do discurso se estabelece a partir de características do significante. O caso mais notável é a ordem alfabética, uma ordenação pelos grafemas iniciais correspondentes do discurso.

Ordenação temática

São as que dizem respeito não ao significante, como as de emissão e recepção, mas ao significado. Algumas ordens temáticas importantes:

  • Temporal: Organiza-se o discurso pela coordenada de época associada às suas partes. É típica da narração.
  • Causal: Organiza-se pondo a parte que é conseqüência sucedendo a que é causa ou vice-versa.
  • Topográfica: Ordena segundo a seqüência em que as partes se apresentam no percurso de uma rota. É típica da descrição. Exemplo: se quisermos descrever o aparelho digestório, uma ordem topográfica possível seria começar pela boca, depois a faringe, o esôfago, o estômago, etc.
  • Aleatória: É na verdade a negação da ordem e serve para torná-la neutra ou quando a ordem não é um objetivo.
  • Convencionais: A alfabética, por exemplo, que a rigor não é uma ordenação de temas, mas de fonemas, termina dando ao significado uma ordem neutra.
  • Gradativas: São aquelas em que o sucedâneo tem grau maior que o anterior, nas gradações ascendentes e grau menor nas descendentes.

As ordens gradativas podem ser:

  • de prioridades: usada no jornalismo por exemplo para a redação de notícias.
  • de importância.
  • de preferências.
  • de complexidade. É típica da didática que ordena as partes em ordem crescente de complexidade.
  • de background progressivo. Também típica da didática que só apresenta uma parte quando os pressupostos necessários à sua compreensão já foram colocados anteriormente.
  • de impacto psicológico. Se for descendente será disfemismo, se ascendente, eufemismo.
  • de familiaridade. Se dá do mais familiar para o menos familiar.
  • egocêntrica. Vai do mais caro ao ego do receptor para o menos.

Ordem sintática

É aquela dos termos sintáticos do período, entendido este como grupo de termos sintáticos inter-relacionados.

A ordem sintática é determinada: pela gramática, da qual resultam ordens gramaticais e agramaticais. As agramaticais podem ser ambíguas ou ininteligíveis; pela estilística: de que resultam ordens conformes ou não aos padrões estilísticos vigentes; pela Retórica.

Ordens sintáticas equivalentes: são aquelas que para os mesmos termos sintáticos remetem ao mesmo referente, abstraídos os nuances conotativos, estéticos, etc.

Ordem direta: é a indicada pelos gramáticos como referencial, geralmente porque se julga seja mais usual ou de mais fácil processamento.

Hipérbatos: são as ordens equivalentes à ordem direta. Geralmente são menos usuais e de processamento mais difícil.

A comunicabilidade da ordem sintática será maior na ordem direta, que facilita o processamento, pois, cada função sintática está onde normalmente deve estar, o determinante é contíguo ao determinado, não são interpolados apostos e sendo mais usual não drena atenção para o significante.

Ordem sintática e foco do período

As partes do período sintático podem ser ordenadas em função da importância, impacto, prioridade ou outro critério que as organize numa escala de valor. A parte a que se atribui maior valor é o foco da frase. A avaliação é subjetiva. O que é foco para um pode não o ser para outro.

Para enfatizar o foco por meio da ordem sintática, deve-se ter em vista que as duas posições mais enfáticas são o começo e o final. O começo é preferível quando se deseja fixar a atenção do receptor de imediato com algo de impacto, que se sobressaia pela sua importância. É a solução típica do jornalismo. O final é a solução que se adota quando se pretende gerar expectativa.

O deslocamento do foco para uma posição enfática pode prejudicar a comunicabilidade do período. Em certos casos, para conciliar as duas pretensões: comunicabilidade e ênfase, é necessário recodificar o período, situando o foco numa função sintática que possa assumir posição enfática sem prejuízo da comunicabilidade.

Veja também: Conjugador de verbos em Excel

Para provar que existe lógica em nossa língua resolvi criar um conjugador de verbos em Excel. Baixe a planilha e use no celular ou no computador.
Download

Assista ao vídeo, veja como a planilha funciona e entenda melhor o nosso sistema de verbos.

Sua opinião me interessa