Melhorar o transporte público baixando o preço da passagem

Quando os protestos de junho tomaram as ruas pedindo a redução no preço das passagens de ônibus muita gente se perguntou como seria possível baixar a tarifa? Prefeitos alertaram que havia risco de faltar dinheiro para áreas como saúde e educação caso tivessem que financiar o transporte público. Apressados concluíram que o transporte é subsidiado na maioria das cidades e não haveria matemática capaz de baixar o preço das passagens. Pois é, mas o preço baixou e o mundo não acabou. Poderia baixar mais?

Faixa exclusiva de ônibus
Depois dos protestos, a prefeitura de São Paulo levou adiante uma iniciativa importante que é aumentar a quantidade de faixas exclusivas para ônibus na cidade. Com essa política que não requer investimento a velocidade média dos ônibus paulistas passou de 13 para 21 km/h nos horários de pico. A população que anda de ônibus está economizando tempo para se deslocar e agora poderá consumi-lo com atividades mais interessantes. Mais de 90% dos paulistanos aprovaram a medida mesmo contando com o efeito colateral de complicar a vida de quem usa automóvel. Além dessas vantagens, a criação de faixas exclusivas para ônibus em São Paulo gerou um resultado que talvez poucos perceberam. Agora com a mesma frota e com a mesma mão de obra seria possível ampliar em 50% as viagens na capital paulista. É uma redução brutal de custos que obviamente não será repassada à população na forma de passagem mais barata. Tudo bem, vamos supor que com essa iniciativa a prefeitura acumula gordura para segurar o preço da passagem por um bom tempo. Se eu fosse político não seria louco de subir o preço das passagens neste ano e muito menos em 2014, ano de Copa e de eleições.
O exemplo de São Paulo é inspirador e espero que seja seguido por outras cidades. Aqui em Curitiba temos ruas exclusivas para ônibus há quase quarenta anos, além de outras iniciativas de sucesso que desafogam o transporte público com baixo investimento. Terminais de ônibus, estações tubo, ônibus biarticulados, linhas diretas, sistema integrado, são outras ideias que podem ser postas em prática pelo Brasil afora para melhorar o transporte reduzindo custos.
Apesar de Curitiba ser referência nacional em transporte público, não quer dizer que andar de ônibus aqui é uma experiência agradável. Nosso sistema está saturado mesmo com todas as otimizações boladas pelos urbanistas. Baixar o preço da passagem por aqui é um mais complicado, pois muitas boas sacadas já foram postas em prática e o sistema está maduro. No início desse ano a passagem subiu de R$ 2,60 para R$ 2,85 lembrando que o sistema é integrado e com uma passagem é possível cruzar a cidade. A prefeitura diz que o custo real da passagem seria R$3,05 e que financia parte desse custo em parceria com o governo estadual. Por conta dos protestos de junho, o prefeito baixou a passagem para R$ 2,70 e o mundo não acabou. Quem faz por menos? O Tribunal de Contas Estadual que analisou as contas do sistema e sugere que o preço da passagem poderia recuar até R$ 2,25.
A primeira coisa a fazer, portanto, antes de cogitar aumento em transporte público é botar ordem na casa. Em um sistema mal gerido e sem nenhuma otimização é possível melhorar o transporte e baixar seu custo com iniciativas simples como as faixas exclusivas. Uma boa equipe de urbanistas pode melhorar radicalmente o transporte público com investimento modesto desde que haja vontade politica. Feitas as otimizações necessárias aí chega a hora de abrir a caixa preta dos contratos com as concessionárias. A população tem direito de saber quais são os custos reais do transporte e cobrar contratos mais favoráveis ao passageiro. Na sequência, vem a redução de impostos. Transporte público é serviço de primeira necessidade, se tem IPI zero para o carro novo é justo que o transporte público também receba isenção de impostos. Por último, temos as iniciativas que atacam o problema em outras frentes. Por exemplo: por que as pessoas têm que percorrer longas distâncias diariamente para cumprir o trajeto casa-trabalho-casa? Não seria mais razoável que morassem próximo do local de trabalho? Para isso acontecer é preciso políticas públicas que gerem emprego próximo de onde o trabalhador mora e habitação a preço honesto próximo de onde o trabalho está.
Sim é possível melhorar muito o transporte público com redução de tarifa. Quem dá menos?

Veja também: Todos os países do mundo no Excel

Nesta planilha você encontra dados de todos os países do mundo, além de territórios autônomos e áreas em disputa. Com ela é possível fazer boas análises que interessam a quem gosta de Geografia, para quem viaja e a estudantes fazendo pesquisas. Faça o download grátis.

Assista ao vídeo com a análise dos dados da planilha.

1 pensou em “Melhorar o transporte público baixando o preço da passagem

Sua opinião me interessa