Arquivo da tag: memória

Meu museu tecnológico doméstico

Tirei a foto juntando peças do meu museu doméstico da tecnologia. Para a nova geração entender vou explicar a função de cada item:

  • Máquina de escrever. Imprime enquanto você digita.
  • Globo. Google Maps 3D que não dava zoom.  Alguns mostram lugares que não existem como União Soviética, Tchecoslováquia e Iugoslávia.
  • Máquina fotográfica analógica. Tinha que mandar os arquivos para revelar.
  • Papel de carta. E-mail enviado em papel. Raramente era spam.
  • Relógio de pulso a corda. Não precisava de bateria e mostrava as horas desde que você lembrasse de dar corda.
  • Papel carbono. Para imprimir várias cópias ao mesmo tempo.
  • Estêncil. Imprimia muitas cópias por um preço baratinho.
  • Long play. Ou LP era um mp3 redondo, preto e com um buraco no meio. Não dava para copiar, mas vinha com uma capa legal, com as letras das músicas e outros bônus.
  • Livro. Esse pdf tinha sistema operacional celulósico que não travava. Era um tipo de E-book reader que armazenava apenas uma obra. Em compensação, sua bateria nunca acabava, seu sistema operacional não saia de linha e não parava de funcionar se caisse no chão.
  • Fita cassete. Memória comprida e enrolada. Dizem que é mais durável do que qualquer uma usada hoje.
  • Despertador. Mostrava as horas para iniciados na arte de ler ponteiros e acordava as pessoas pela manhã.
  • Fita VHS. Vídeo que precisava rebobinar depois de ver. Alguns eram piratas também.
  • Agenda eletrônica. Tinha incríveis 32 KB de memória, mas dava conta do recado.
  • Calculadora. Não precisava esperar o Windows carregar para usar.
  • Disquete. Pen drive redondo. Armazenava dados, mas não cabia nem uma música em mp3.
Continue lendo Meu museu tecnológico doméstico

O futuro incerto do nosso passado digital

Paul Carr em artigo do blog TechCrunch dá um conselho às pessoas que desejam preservar a sua história pessoal: parem de escrever e-mails e mensagens em redes sociais e voltem a escrever cartas enviadas pelo correio. Concordo com Paul quanto ao potencial de uma carta em papel para resistir por muitas décadas como prova material de nossas experiências passadas, virtude que os meios eletrônicos voláteis ainda não demonstraram. O problema é que se voltarmos a escrever cartas para registrar os momentos importantes de nossas vidas estaremos passando uma falsa ideia sobre nossos hábitos às pessoas que no futuro se defrontarem com esses pedaços de papel impregnados de lembranças. A nossa comunicação hoje em dia acontece por e-mail e por redes sociais e, portanto, se desejamos conservar testemunhos autênticos de nossa história temos que descobrir uma maneira de conservar os e-mails e as mensagens postadas no Facebook e no Tweeter. Se você ficou preocupado com a sua biografia, talvez lhe sirva de consolo que a preservação da memória digital é um problema que vai além da experiência pessoal, é um desafio para os historiadores.

Continue lendo O futuro incerto do nosso passado digital