Descartável

Este poema é one way,
sem retorno, descartável.
Após a leitura, esqueça-o.
Foi elaborado com substâncias diuréticas
que propiciam assimilação rápida
e excreção imediata.
Fácil vem, fácil vai.
Contém uma proposital redundância
que garante pela repetição
uma absorção tranquila,
dispensando retornos e releituras.
Enfim, um poema
que não deixa resíduos
nem produz efeitos colaterais.
Pronto. Está lido.
Nem doeu, não é mesmo?
Não precisa ficar aí parado.
Pode passar para a próxima página.

Biblioteca

Meu sonho é uma biblioteca
de mansão inglesa.
Daquelas que se organizam em círculo,
com mezanino para acessar
a parte alta das estantes.
Ao centro, o tapete persa,
a escrivaninha vitoriana,
o sofá chesterfield.
As edições raras de clássicos,
com capas duras
em marroquim vermelho.
Num canto, o carrilhão
faz do passar das horas
um momento de ascese.
E talvez, em alguma prateleira,
o livro de páginas infinitas de Borges.
Uma biblioteca, uma fortaleza.
Não é o mundo,
mas é um mundo.