Faxina

Tiro o dia para uma faxina
nas gavetas de meu vocabulário.
Amarelados e gastos
alguns termos sem uso
vão surgindo
no meio de palavras vivas.
‘Injustiça social’
é o primeiro que mando
para o cesto de lixo.
Depois, ‘opressão’,
‘esquerda’, ‘imperialismo’,
‘exploração’.
Sigo vasculhando.
No fundo da gaveta
preso numa fresta da madeira
acho ‘socialismo’.
Todos devem ser eliminados
para adequar minha linguagem
aos novos tempos.
Quantas palavras, nem imaginava,
e agora inúteis, dispensáveis.
Amasso ‘progressista’.
Até ‘gauche’ encontro e jogo ao cesto.
A tarefa me consome bom tempo.
Encho o cesto de palavras ocas
que só serão vistas no futuro
em museus filológicos.
Que tipo de problemas
fizeram os homens
criar tanto vocabulário
agora sem sentido?
Decerto problemas resolvidos.
Que outra explicação
para este cesto cheio
de vocabulário obsoleto.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia