Tudo certo

Caminho pela rua ao final da tarde.
Numa banca, de passagem,
leio as manchetes dos jornais.
Tragédias, horrores ocorrendo longe de mim.
Volto para casa de consciência limpa.
Nada do que li me diz respeito.
Sou maior, vacinado,
estou feliz e em dia com meus impostos.
Um mendigo me pede esmola
e conta uma história triste
que não me diz respeito.
Passo no bar para comprar cigarros.
O dono do bar comenta
que foi assaltado e me pergunta
onde vamos parar desse jeito.
Digo-lhe qualquer coisa e saio.
O que lhe acontece não me diz respeito.
Volto cansado mas tranqüilo.
Chegando em casa tomo um banho,
me refaço, me tranco, estou satisfeito.
A noite correndo lá fora, decididamente,
não me diz respeito.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia