Descoberta

A grande descoberta de minha vida
foi que não me importo em descobrir nada.
A vida como planura,
o silêncio do deserto como sinfonia.
O coração seco, o olhar cristalino.
A aceitação de mim como concha fechada.
Vejo e já perdi o que vi.
Minha solução como ausência de soluções.
A desistência do eu
em ser forma de mistério.
E tudo é puro olhar
e nada me preocupa ou faz querer
desvendar o que quer que seja.
Uma distância me separa
dos objetos que percebo.
Mas percebo-os e é tudo.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia