Estilo

O estilo brota de um líquido turvo.
Inicialmente viscoso.
De começo dissolvidos nele
líquidos menores, essências supérfluas.
O estilo ainda ali não nasceu. Espera.
Filtros. Destilações, adsorventes.
O líquido flui mais solto nos jarros.
Só a purificação laboriosa
traz o estilo transparente.
Mas como a completa permeabilidade à luz?
Esta utopia, a da pura pureza
é a que se busca com olho lente.
Do outro lado, mas paralelamente
o artista busca a vida destilada.
Uma existência de arquitetura precisa.
Burilar o estilo e a vida,
projetos conjuntos, utopias irmãs.
Não amplificar a vida. Reduzi-la.
Desbastar seus ramos.
Faze-la disciplinada.
Mirrar os caules verdes,
secar todos os oásis da angústia.
Planura e horizonte azul.
Num ponto se confundem estilo e vida:
no seu ir para.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia