Anaximandro de Mileto

O princípio é o caos.
Do caos tudo sai.
Ao caos tudo volta.
Tudo que vem a ser
e é diferenciado emerge
do homogêneo indefinido.

Para o caos não há definições.
A plena homogeneidade.
O total uno caos.

Quando algo emerge
já nele se contém
um germe de corrosão

que o leva novamente ao caos.
O mundo o que é
senão esta agressiva luta

de emergir e florescer
para de novo descer
e ao caos baixar.

Ah! Quisera a infinita paz.
O perfeito silêncio de não ser
um ser em particular,

antes apenas uma pura
e indizível homogeneidade.
Um perpétuo moto,

ritual de ascensão e queda
eis a pena eterna
a ser cumprida.

O caos a tudo chama.
O que do caos escapa
com certeza nele acaba.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia