Pássaro migrador

Vejo no céu o pássaro migrador.
Daqui pressinto seu anseio
de encontra pousada.
Mesmo exausto ele segue
traçando redemoinhos,
curvas insolúveis.
Fia em trajeto aleatório
um labirinto de caminhos,
entrecruzados, circulares
e ao fundo o mesmo horizonte frio
nascendo a cada dia.
Sempre que olho para o céu
esse pássaro sombrio navegando o firmamento.
Não desiste? Não se estropia?
Ao fim da tarde estou cá a olhar
o desenho mágico dessa ave louca.
Sem descanso voa, voa ….

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia