Inacinho

Esses dias lembrei do Inacinho,
crítico sistemático
da sociedade consumista,
que se definia como
o legítimo rebelde sem causa,
o errado de carteirinha,
o avesso da cartilha do bom moço,
que adorava passar na rua
com seu cabelão comprido,
seboso e desgrenhado
para ouvir o comentário:
‘Este mundo está perdido.’
Hoje, em que se use
comprido, raspado ou colorido
ninguém pára mais
para olhar o cabelo dos outros
ainda bem que o Inacinho
se tornou empresário,
dono de uma grife
de moda alternativa
e contestatória.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia