Muro

Sonhou com o frufru dos cetins,
com um buquê de rosas vermelhas
sobre a mesa,
o champanhe francês
no baldinho com gelo,
dois cálices delgados, elegantes,
um sapato sobre o tapete persa,
o sutiã na cadeira,
a suave música de Glenn Miller
e lá fora a melhor vista da cidade
numa noite quente e estrelada.
Sonhou.
Mas a sua primeira vez
foi ali atrás do muro, em pé.
Algo escorreu pela coxa
e um pingo da saliva dele
caiu sobre o ombro
na hora do último arranco.
Doeu um pouco e logo passou.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia