Proteína

E o que você quer mais?
Não basta a felicidade
fugaz e esporádica?
Que é ilusão,
claro, claro, ilusão
mas você esperava mais?
É transitória, rara,
aparece quando você nem quer,
quando precisa não aparece.
Desejava mais?
Ilusória, certo
se vista de perto.
Mas por que mais?
Não lhe serve a felicidade
que alguém vai provar
tratar-se de uma proteína
perambulando entre neurônios,
que é breve,
que é frágil,
vem de leve,
vai num sopro,
mas lhe serve,
não serve?
Ou você sonhava mais?
Mais que ilusão,
mais que um comichão
atravessando a espinha.
Sonhava.
Então esperarava mais.
Sonhava com o quê?
Esperava por quem?
Com o que não tem?
Com quem não vem?
Se você quiser,
ilusão tem.
Se não quiser,
passar bem.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia