Haicais polacos

1
Com vocês
mais um estrondoso silêncio
de público e crítica.

2
Esmerado, cultivei longamente
esta orquídea para ti,
mas gostas mesmo é de tulipas.

3
Sempre se quer mais,
sempre mais e mais,
sempre, sempre mais.

4
Velho carrilhão vetusto:
um dia hás de tocar
a décima terceira badalada.

5
Bastava-me acordar num comercial de margarina,
ir ao trabalho num anúncio de desodorante
e passar a noite numa propaganda de lingerie.

6
O Paraná foi colonizado
pelos alemães, italianos, japoneses …
Ah! … e pelos polacos.

7
Ah, o milagre da Poesia.
Se um dia eu alcançá-lo
é porque estou acabado.

8
Poeta bissexto.
Na vida: bissexto.
Geneticamente bissexto.

9
Terceira destilação
do teu melhor lote
da tua melhor safra de palavras.

10
Entre as cinzas
de teu incêndio palavras
de cerâmica recém-cozidas.

11
No meio do caminho
tinha uma palavra. Tinha
uma palavra no meio do caminho.

12
Poesia: aquilo que
se perde na aula
de literatura.

13
Mallarmé é 132% mais poético que Racine,
de onde vém que a poeticidade
é função quadrática do estranhamento.

14
E o poeta experimental
fazendo sempre
o leitor de cobaia.

15
De fato o senhor
tem inúmeras qualidades,
todas completamente inúteis.

16
Lamento, mas semana passada
lançaram o funcionário tecno-endergonorgético,
o que o deixa deveras obsoleto.

17
O retrato saiu-lhe
fiel, na medida:
desfocado.

18
Que falta
você me faz. E pra você,
tanto faz.

19
Volta e meia um gramático
querendo melhorar
o idioma para pior.

20
O gramático eunuco
zela pela castidade da língua
contra os que a sabem desfrutar.

21
Diariamente tropeço
no tema de meu melhor poema,
mas não o vejo.

22
Pensa na mulher:
De odalisca do sétimo véu
a megera indomável.

23
Ao escrever
esqueça tua dor e pense
na dor de quem lê.

24
Os ponteiros do relógio
giram, giram. Rápidos,
quase ventilam.

25
Conclusão fatalista:
até estuprador
é moralista.

26
Pichou os muros
da cidade inteira, menos
o da própria casa.

27
Como bom fotógrafo
sempre encontrava o ângulo
que o deixava ridículo.

28
Seu gesto tresloucado,
como uma saraivada de golpes
causou-me escoriações generalizadas.

29
Viveu coberto de glória
e agora,
coberto de terra.

30
Chegou a dar no hospital
por causa das fraturas
na vaidade.

31
Lhe devoro em pensamento,
enquanto você, no seu,
palita os dentes.

32
Cada dia
tem mais passado
no meu presente.

33
Para não envelhecer
joguei fora
o espelho.

34
No desfile, o gramático normatiivo
marcha no passo certo.
Outros dez mil, em passo errado.

35
Uma mentira bem vestida
vale mais
que uma verdade nua.

36
Tão erudito
que não falava.
Citava-se.

37
No meu filme
você é protagonista. No seu
sou figurante.

38
Amo quem ama
o(a) que ama
a(o) que me ama.

39
Eu te odeio
porque
te amo.

40
Maria na cama com João:
– Ai Aninha eu vou go…
– Eu também, Pedro.

41
Preparai-vos para o fim dos tempos da Poesia.
Ao toque da Sétima Trombeta
será o reino do Anti-poema.

42
Numa seita literária pentecostal:
– Magnífica esta página em branco.
– Deslinda o nada enquanto coisa nenhuma.

43
Ó fulvos montes calipígios!
Tradução:
Que bunda!

44
Sua fama está assegurada
quando todos compram seu livro
e ninguém lê.

45
O crítico: ‘Gênio da arte’.
E o poeta:
‘Gênio da crítica’.

46
Casal moderno:
o marido reina
mas não governa.

47
Oh! que saudades que tenho
do tempo em que eu
sabia de cór o poema do Casimiro.

48
Estilo genuíno
é como Big Mac.
Sempre igual.

49
Poesia é pão,
outro pão, porque
algum supérfluo é essencial.

50
Nenhum ismo
é eterno, exceto,
o pedantismo.

51
Compareci ao encontro
no meu melhor terno,
mas a poesia não veio.

52
Fundador e único membro
da facção esquerda da ala radical
do partido literário extremista.

53
Auto-suficiência:
ser a crítica e o públco
dos próprios versos.

54
Leio notícias
de hoje nos jornais
d’antanho.

55
Para o fedelho peralta
recomenda-se: Biotônico Fontoura
e Olavo Bilac.

56
Metrópole qualquer:
Um homem vai apressado, um cão vai apressado.
Eta vida besta, meu Deus.

57
Diante do retrato de vovô
papai me explicou que morrer
era uma antiga tradição familiar.

58
Geração phD:
citam de Adorno a Zeméckis,
mas não sabem fritar um ovo.

59
No próximo bloco:
os mais recentes lançamentos
em ismos primavera verão.

60
J. comentando P mostra que L.
estava errado na sua crítica a R.
ao citar M como revisionista de T…

61
Poesia é
o melhor perfume
no mais fino frasco.

62
Há um tempo
de estilingue e outro
de vidraça.

63
Cantarei os temas menores:
o pingüim de geladeira,
o cachorro manco.

64
Resistiria
à crítica demolidora. Sucumbiu
ao silêncio demolidor.

65
A terra: onde sofremos.
O céu: para onde vamos.
O inferno: reservado aos outros.

66
Sou provinciano
de pai e mãe.
De carteirinha.

67
15 segundos de fama,
nem isso. É o tempo
de ler este haicai.

68
Passou a vida nos prolegômenos
dos pressupostos metodológicos
dos objetivos a serem atingidos.

69
Ame.
Depois
não reclame.

70
A Poesia espera
que cada poeta
cumpra o seu dever.

71
Tão delicado
que amanheceu
em pedaços.

72
Tão inflamado
que logo
virou cinza.

73
Tão hermético
que guardou a chave
dentro de seu cofre.

74
Tão correto.
Pasteurizava o texto
até a extinção da vida.

75
Tão didático.
Ao nível da sua própria
mediocridade.

76
Detesto quando diz:
‘Não devia dizer…’
Mas diz.

77
Fracassei nos planos
que me propus há anos.
Felizmente fracassei.


78

Pobre vampiro.
Como eu,
não se vê no espelho.

79
No zoológico,
a fauna exótica em exposição.
Além e aquém das grades.

80
Míope, o triângulo
escaleno via-se
equilátero no espelho.

81
Longos anos me libertando
do passado. Outros tantos,
para me reconciliar com ele.

82
O oculista: o senhor enxerga longe.
Seu problema é não ver
debaixo do nariz.

83
Poesia: palavra garimpada
onde os outros
só lavraram sentimento.

84
Não esquente:
a dor, no cérebro, é só
uma ínfima corrente.

Baixe o pergaminho digital

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia