Cinzas

Nem tudo termina na quarta-feira de cinzas.
Ainda te resta uma centelha de vida
pulsando na veia, que vai germinar
em vontade de novos carnavais.
O fim de alegria não é
o fim da vontade de alegria.
Em teu peito te esperam latentes
noites de emoção galopante
e se não vier a utopia, saiba,
em ti estará sempre renascendo
a esperança de outro carnaval.
Por mais que você esbanje
seu potencial de desejo
e passe por outras quartas de cinzas
o carnaval se promete no fundo de si.
Você palmilha a rua vazia
enquanto o sol nasce como sempre
a leste todo dia
e tudo a sua volta
cumpre o ritual da renovação.
Dormente na quarta-feira, breve,
você verá crescer
o anseio de um novo momento,
mágico e intenso,
festival de ascensão e queda,
orgasmo e prostração,
como foi, como será.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia