Valor de mercado

Falar, citando Quintiliano,
sobre aqueles homens beócios
dos primeiros tempos,
que criavam palavras
segundo a primeira impressão que
lhes suscitava o contato com as coisas:

Sem valor de mercado.

Dizer não,
resistir ao impulso
de fazer errado
só porque todo mundo faz:

Sem valor de mercado.

Ver nos olhos de seu filho
uma mágoa escondida,
abraça-lo e pedir que lhe abrace
o mais forte possível:

Sem valor de mercado.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia