Copo d’água

Engraçadas as coisas.
Dúcteis e cristalinas
ao virginal primeiro toque
da ingenuidade.
Este copo d’água na mesa.
Que pode um copo desafiar?
Adiciono pouco a pouco
mais água no copo cheio
e a água não se entrega à queda.
Água se agarra à água
e se curva toda na borda do copo.
Resiste heróica e gelatinosa,
ao menos até um estranho e definido limite
quando a primeira gota se desprende
e serpenteia pelo vidro abaixo.
Em forma de gota.
Serpenteando.
Deixando rastro.
Para baixo.
Pronto. Não conto mais com a simplicidade
de um copo d’água.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia