Ode à bunda

Que outro, não eu,
suave, a serena face,
os expressivos olhos cante.
Cantarei a última flor do corpo,
primeira no pensamento,
a multifuncional, curvilínea,
nacionalmente preferida bunda.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia