Ano novo

Mais um ano passou.
Tantas você fez.
Quantas por fazer.
Você se dividiu
em páginas, buzinas,
promessas e pele suada.
Você viu o arco-íris
em preto e branco
e no meio do caminho
não havia pedra,
não havia nada.
Você colocou um tango argentino
mas o toca discos pifou.
E lhe serviram
dobrada à moda do Porto,
mais que fria, gelada.
Você correu atrás do metal,
ganhou uma gastrite,
saldou uma velha dívida.
Você lutou,
foi forte, foi fraco.
Você acordou tarde,
tropeçou no saguão.
O pneu furou
no meio da tempestade.
Você encheu de orgulho
alguém que lhe quer bem.
E não lhe reconheceram,
lhe puxaram o tapete,
E você passou rasteira,
ficou entre o corpóreo e o etéreo,
o ato e a omissão.
Amou quem não lhe amou,
mas alguém lhe amou
e você nem notou.
Você adiou seu sonho
e não viu mudança nem melhora.
Com você alguém gozou,
por você alguém sonhou,
sem você alguém sofreu.
Você apostou,
ganhou e perdeu,
se perdeu, amadureceu,
oxidou, reciclou e se restabeleceu.
Agora põe tudo na balança
que vai pender para onde você quiser,
pois é você quem dá o peso aos fatos.
Você, talvez contente
só de estar vivo.
Talvez inconsolável
sobre as honras de muitas conquistas.
Em balanço de vida
nunca batem ativo com passivo.
Ora, para uns a vida é bela,
para outros bela merda.
No fim o que importa
é o seu compromisso com a vida.
Se você está pronto para ela
está pronto para o novo ano.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia