Fraquezas

Minha querida:
sei que fracasso
onde se dá bem
qualquer canalha.
Sei que me ocupo
da poesia a sério.
Sei que já parei na rua
para escutar mendigos.
Sei que me perco em mim
e perdido, ainda assim
não me vejo, pois
a miopia que me embaça o espelho
só é menor que a que me separa
das coisas imediatas da vida.
Que fazer se não tenho
os óculos que preciso
e sendo um, sou dois:
o que quer ir ao fundo
e o que desliza
para fora do reflexo.
Minha querida,
não me olhe assim.
Você não aprecia nenhuma
das minhas qualidades inúteis?

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia