Aparição

Numa dessas noites
em que se pisa em navalhas
e não sei de onde
surgem vozes
te convidando ao desespero,
deparei com uma figura
cinérea e crua,
numa rua escura e nua.
Rua deserta em noite fria
em meio a bruma eu via
a figura a me acenar,
chamando com indolência
para que a seguisse
para que, enfim, eu visse
o que nunca veria a ciência
por mais que progredisse.
A figura , que quando a vi
mais de perto
era uma mulher bela
em trajes negros e discretos,
me acenava e dizia
num volume que mal se ouvia:
‘Vem, sou a morte, vem.’
O fascínio do chamado
me tomava.
Em mim, a dúvida
me açoitava
e mesmo que perguntas
eu fizesse
a figura a nada respondia.
A única frase que dizia
para tudo que eu pedia era:
‘Vem, sou a morte, vem.’
Num instante passou
em minha mente
o inventário de meus tormentos.
Em pouco tempo
pensei em tanta dor e sofrimento,
repassei angústias,
lembrei lamentos.
E a cada lembrança doída
correspondia um passo
na direção da figura
que me pedia o braço.
Meu coração acelerava.
Nas veias o sangue
corria, disparava
e a figura sussurrava:
‘Vem, sou a morte, vem.’
Estando já a um passo
do abraço da figura,
antecipando em pensamento
algo novo, bom e sem igual,
todos os segredos, enfim, revelados,
a explicação geral,
o céu, o nada,
a mim o que importava
naquela hora
era o alívio da chegada.
Pedi, então, a figura:
Agora que estou a um passo
de tua porta,
fala, faz um gesto.
Diz que acertei na escolha
ou ri de minha desgraça
mas qualquer coisa faça.
A figura permaneceu imóvel.
Outras perguntas formulei.
Nenhum sinal rompeu
seu silêncio lívido
de figura frígida
e o passo que me faltava
ficou suspenso na intenção.
Tenso eu disse não.
Voltei um passo atrás
e a figura que fechara os olhos,
abrindo-os murmurou:
‘Um passo, mais um passo
e tudo saberá.
Sem o passo, só um passo
nada se dará.’
Desisti, recuei.
O fascínio feneceu
e a cada passo
que eu retornava
a figura se evolava.
Até que restou só
a noite fria
e a minha dor,
a mesma dor
que eu pensava
dado o passo findaria.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Um pensamento em “Aparição”

Seu comentário também é poesia