Cenobitas

Os cenobitas estão entre nós.
Não confies nas aparências.
Aquele respeitável senhor
há pouco, com seus óculos,
sua gravata cinza,
sua Gazeta Mercantil,
talvez ele também um cenobita.
Os cenobitas se camuflam
em mil singelos disfarces,
se escondem nas mais escuras tocas,
usam portas ocultas que ninguém vê,
passam por ti várias vezes ao dia
sem que percebas.
Como vírus oportunistas,
jamais se revelam à luz do dia e
nunca atacam a alma saudável.
Mas te espreitam e farejam a dor
a quilômetros.
Ocultes tua ferida exposta.
É a tua dor que atrai
estes abutres da alma.
Não penses neles,
não os vejas e, principalmente,
jamais os invoques.
Não relaxes,
mantenha-se sempre alerta,
onde menos esperas, eis o cenobita,
talvez aí mesmo,
diante do espelho que miras.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia