Visões

Em um futuro esquecido
os humano-computadores
têm formidável entendimento
e frágeis sentimentos humanos.
As máquinas se auto reproduzem
e evoluem num ritmo inimaginável.
Os robôs são tão iguais aos homens,
que não há meios de saber
quem é robô e quem é homem.
A realidade virtual
é controlada pelos super computadores
e não se distingüe mais
da realidade de outrora, aliás,
o entendimento de realidade mudou
desde que as máquinas descobriram
o segredo para recombinar a matéria
pela vontade.
A humanidade sucumbiu
e o que restou dela
vaga pelo espaço numa imensa
espaçonave, muito maior
que a maior das megalópeles
que existiram no passado.
Nesta cidade sinistra
os humanos são párias
e as máquinas governam.
Acima de tudo e todos
está um cérebro-computador mestre,
atormentado e cruel
por ser imortal e não ter alma,
que lê a Bíblia setenta vezes sete vezes
a cada segundo
e nomeia a si mesmo
o Armagedom.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Seu comentário também é poesia