Inacinho

Esses dias lembrei do Inacinho,
crítico sistemático
da sociedade consumista,
que se definia como
o legítimo rebelde sem causa,
o errado de carteirinha,
o avesso da cartilha do bom moço,
que adorava passar na rua
com seu cabelão comprido,
seboso e desgrenhado
para ouvir o comentário:
‘Este mundo está perdido.’
Hoje, em que se use
comprido, raspado ou colorido
ninguém pára mais
para olhar o cabelo dos outros
ainda bem que o Inacinho
se tornou empresário,
dono de uma grife
de moda alternativa
e contestatória.

Gilda

Lembra da Gilda,
curitibano dos trezentos anos?
Não a mulher fatal do cinema,
a Gilda de Curitiba.
Esses dias passei na Rua das Flores:
Cadê a placa póstuma da Gilda
ao pé da árvore
na frente do bondinho?
Para quem não é daqui:
Gilda foi um mendigo, louco e bicha.
Já viu combinação mais infeliz?
Daqueles loucos que havia,
estavam sempre na rua,
como se vivessem do vento.
Gilda foi o último louco
folclórico de Curitiba.
Sua residência oficial
era a Rua das Flores,
o cartão postal da cidade.
Para uns incômodo, vergonha.
Para outros, motivo de galhofa.
Por muito tempo foi o louquinho
que a família curitibana
não trancou no porão.
Um dia apareceu morto,
provável, numa briga de mendigos.
E pergunto:
Por que não Rua Gilda?
ou Alameda Gilda?
ao menos Travessa Gilda?
Ou os loucos folclóricos
não são história?
Que memória é esta
que preserva generais sem guerra,
corruptos de bitola larga,
aristocratas inatingíveis,
enganadores do povo diplomados
e se esquece da Gilda.
Tá certo: louco, mendigo e bicha.
Mas se lhe falta título
por que não:
filósofo do cotidiano,
humorista performático,
vanguardista dos costumes?
Se lembraram de tantos
que nem mereciam.
Por que não da Gilda?
Cala-se Curitiba,
classe média em tudo.
Tua memória será
a do pinheiro tombado,
a da gralha que já não voa,
mas não da Gilda.