Tudo certo

Caminho pela rua ao final da tarde.
Numa banca, de passagem,
leio as manchetes dos jornais.
Tragédias, horrores ocorrendo longe de mim.
Volto para casa de consciência limpa.
Nada do que li me diz respeito.
Sou maior, vacinado,
estou feliz e em dia com meus impostos.
Um mendigo me pede esmola
e conta uma história triste
que não me diz respeito.
Passo no bar para comprar cigarros.
O dono do bar comenta
que foi assaltado e me pergunta
onde vamos parar desse jeito.
Digo-lhe qualquer coisa e saio.
O que lhe acontece não me diz respeito.
Volto cansado mas tranqüilo.
Chegando em casa tomo um banho,
me refaço, me tranco, estou satisfeito.
A noite correndo lá fora, decididamente,
não me diz respeito.

Poesia que eu não faria

(à guisa de humour)
Aos taxidermistas da poesia

‘… fechando-se no como escrever o escritor acaba por encontrar a pergunta aberta por excelência: Por que o mundo? Qual o sentido das coisas?’

Roland Barthes

Se não sois também poeta,
crítico literário,
doutor em letras,
editor, exegeta,
quer dizer,
se sois o tipo de leitor
a quem deviam se destinar
todas as poesias
estais liberado
de percorrer estas
por demais enfadonhas
mal traçadas linhas.

Poesia.
Mas o que é a poesia?
pergunta-se o poeta
diante da página vazia.

Ó tarefa dorida,
ó sonho dantesco,
ó áspero ofício.
Garimpar o oculto verso:
sublime sacrifício.

E enquanto o verso não aparece
o latifúndio cresce
e o operário meu irmão
é explorado pelo patrão.

Poesia é vida?
Poesia é sonho?
Poesia é noite?
Poesia é amor?
Poesia é ser?
O sorriso da criança é poesia?
O beijo longo dos amantes é poesia?
O pôr do sol é poesia?
Poesia. Onde estás que não respondes.

VERSO (?)

(RE)VERSO

(Trans)VERSO

(Uni) VERSO

(CON)VERSO

(DI)VERSO(S)

Poesia é palavra.
Sendo palavra
fala de palavra enquanto palavra.
Palavra voltada sobre si.
Poesia fala de poesia.
Palavra sobre palavra.

E o poeta? Este quem é?
Garimpeiro de estrelas,
intrépido combatente das causas perdidas,
pastor da singela metáfora,
bardo que tange a lira,
operário da palavra,
ourives da preciosa rima,
cavaleiro solitário,
o poeta/ o asceta/ o profeta,
homem comum ao lado do povo,
anacoreta de nuvens,
aquele que eleva sua voz mais alto,
tudo isto é o poeta
e muito mais, pois,
não há barreiras ao que canta.

Distante voz alada
um retrato morto no firmamento ebúrneo
caverna hermética oculta
sarsa, como torre se alevanta
no poente um grito pungente: poesia.

O poema atravessa o signo.
O signo libera o sema.
O sema habita no fonema.

Não há mais poesia.
Canibal de si
o poeta se engoliu.
Levou consigo seus poemas.
Resta-nos o vazio.

Pô: poesia?
Sei lá, entende?

Poeta guru

O poeta guru agoniza no leito.
Três exegetas seus
fazem vigília à sua cabeceira.
O poeta guru abre os olhos.
De sua boca sai um murmúrio débil.
Os três exegetas se apressam
em trazer os ouvidos
para junto da boca do poeta guru.
– O que ele disse?
– Não ouvi.
– Não podemos perder suas palavras finais.
– Vejam. Vai falar de novo.
O poeta guru balbucia ansiado:
– Co …
Os exegetas se afligem.
– Que sublimes palavras quer nos passar?
– Estamos aqui mestre,
ávidos para interpreta-lo.
– Honre-nos com o divino verbo.
– Co … ma … co…
Os exegetas se agitam.
– Oh, desgraça. Seu último verso,
talvez o melhor,
paira na boca e não encontra saída.
– O que dizem tais sílabas misteriosas?
– Será que medita a forma perfeita?
O poeta guru se contorce no leito.
– Co … mm…
Nisso, o enfermeiro, que entrava:
– Comadre, gente. Ele quer a comadre.
O enfermeiro pega a comadre
embaixo da cama e ajeita
sob o corpo do poeta.
Alguns minutos depois
o poeta expira.
Em seu rosto, um ar
de alívio e libertação.

Elixir caxambú

Saibam tantos quantos lerem
este reclame que nas melhores
casas do ramo encontra-se disponível
o inigualável Elixir Caxambú,
o preferido dos corações aflitos,
insuperável no reparo dos males
os mais diversos,
seja prisão de ventre,
paixão insensata,
cólicas das senhoras nos seus dias,
ou dores de causa incerta.
O revigorante Elixir Caxambú
com sua exclusiva fórmula
e gosto o mais delicioso,
agrada às crianças, aos adultos
e aos idosos,
sendo especialmente indicado
contra a ciática,
para deitar bichas,
contra dores reumáticas,
aos carentes de todos os tipos,
aos asmáticos, aos anêmicos,
e aos desenganados.
Ao visitar a botica de sua confiança
não esqueça de pedir
pelo exclusivo Elixir Caxambú,
o amigo da sua felicidade.

Ah, diga lá Doutor Oriovisto,
do alto de sua experiência
de milhares de receitas aviadas
por que não se fabrica mais
o formidável Elixir Caxambú?