Arquivo da tag: consciência ambiental

Antropoceno, o período em que o homem estragou o planeta

Antropoceno seria o período em que as características geológicas do nosso planeta passaram a sofrer alterações significativas por conta da ação humana. Não se trata de um período geológico oficial; a ideia de cria-lo partiu do Prêmio Nobel de Química Paul Crutzen em 2000, embora outros cientistas já tivessem feito propostas semelhantes bem antes. Paul Crutzen defende que o período Antropoceno iniciou no século XVIII com a invenção da máquina a vapor. Foi nessa época que os humanos começaram a fazer uso intensivo dos combustíveis fósseis e de lá para cá a concentração de gás carbônico na atmosfera aumentou drasticamente. Outros estudiosos defendem que a ação humana passou a causar alterações significativas no planeta desde o desenvolvimento da agricultura há cerca de dez mil anos. Se considerarmos todos os impactos da espécie humana sobre os ecossistemas teríamos que recuar ainda mais no tempo. O crescimento da população de homo sapiens pode estar relacionado com a grande extinção de megafauna após a última glaciação, ocorrida há quase doze mil anos atrás. Nessa linha de raciocínio o período geológico oficial conhecido como Holoceno poderia ser renomeado para Antropoceno já que foi nesse intervalo de cerca de 12.000 anos que a Terra passou a sentir o impacto da presença do homo sapiens.

Continue lendo Antropoceno, o período em que o homem estragou o planeta

Bombril é ecológico?

Até alguns dias atrás era possível ver na TV uma campanha publicitária em que faziam uma comparação ambiental entre a esponja de aço Bombril e as esponjas sintéticas. O milenar garoto propaganda Carlos Moreno alertava que o Bombril é ecológico, ao contrário das esponjas sintéticas que, além de não serem biodegradáveis, acumulam bactérias. A propaganda foi retirada do ar por decisão do CONAR que acatou as queixas de alguns fabricantes de esponjas sintéticas.

Não existe produto absolutamente ecológico. O adjetivo ecológico é sempre relativo e só o que podemos dizer é que um produto é mais ecológico que outro. Imagine dois carros da mesma marca e modelo: um abastecido com etanol e outro com gasolina. O carro que roda com etanol é o mais ecológico e pronto, mas ambos perdem de longe para uma bicicleta quando o assunto é impacto ambiental.

Continue lendo Bombril é ecológico?

Os cinco níveis da consciência ambiental

O que é consciência ecológica? Muita gente vai dizer que é jogar o lixo na lata do lixo. Está certo! Começa por aí mesmo, mas não vamos nos iludir que salvaremos o mundo simplesmente praticando lixo ao cesto. A conscientização ambiental é uma escada e a maioria das pessoas ainda está nos primeiros degraus. Para simplificar, vamos supor que essa escada se divide em três lances: básico, médio e avançado. Além disso, há dois degraus de alienação.

Continue lendo Os cinco níveis da consciência ambiental

Os carros mais econômicos do Brasil 2010


Veja todos os 1.102 modelos e versões divulgados na tabela do Inmetro 2016 baixando a planilha a seguir em Excel.

Download

Ou baixe a versão editável grátis na área de Downloads para usuários cadastrados.

Assista ao vídeo e veja a análise dos dados da planilha.


Agora, vamos ao post original de 2010:

A tabela 2010 do Inmetro que classifica carros segundo o seu consumo de combustível traz 67 modelos avaliados. O número dobrou em relação ao ano anterior o que é bom porque demonstra uma maior adesão das montadoras ao programa de etiquetagem veicular. O consumidor ganha, pois pode pesquisar o consumo do carro antes de comprá-lo. Esperamos que um dia o programa se estenda a todos os carros vendidos no Brasil. Como este é um blog ambiental, vamos à lista dos 10 carros de passeio que tem o menor consumo médio de etanol.

Continue lendo Os carros mais econômicos do Brasil 2010

O que minha avó faria nessa hora?

“Filha, tire o frango do freezer e coloque no microondas para descongelar.” Ouvi essa frase de uma mulher que passou por mim na rua falando ao celular. Poucas, densas palavras capazes de desencadear uma longa reflexão, talvez inspirar uma monografia, mas que vão render mesmo é este simplório post. Como de costume, pensei: o que minha avó faria no lugar da mulher? Já que vovó Sofia não tinha sequer telefone fixo teria que recorrer a um recurso antigo, mas infalível: o planejamento. Ela diria à sua filha Helena (minha mãe) na noite anterior: “Filha, amanhã vou sair. Mate uma galinha e limpe para eu fazer quando voltar.” Solução just in time que dispensa o telefone e que nos leva à  conclusão número 1: gadgets de alta tecnologia são comodidade e não necessidade. As galinhas da minha avó iam sem escalas do poleiro para a panela, o que nos leva à conclusão número 2: fazer estoque quase sempre é antiecológico. A minha mãe, no seu tempo, agiria diferente. Como D. Helena não acreditava em carne congelada, nem criava galinhas, provavelmente passaria no açougue na véspera e deixaria a galinha na geladeira. Essa solução envolve estoque e energia para manter a carne refrigerada, mas é melhor do que o congela descongela da mulher do celular.

Continue lendo O que minha avó faria nessa hora?