Austrália quer reduzir aquecimento global exterminando camelos

A Austrália é um país com vários problemas ambientais. Sua matriz energética é baseada principalmente na queima de combustíveis fósseis como carvão e petróleo. Para compensar suas elevadas emissões de carbono o governo estuda uma saída polêmica que tenta abater dois camelos com uma só cajadada. Não, não errei na digitação, embora os coelhos também sejam uma praga na Austrália, as armas desta vez estão apontadas para os camelos. Fizeram cálculos e concluíram que um camelo emite por ano cerca de 45 kg de metano em seu processo digestivo, ou seja, o camelo come capim por um lado e solta pum de metano pelo outro. O metano causa mais aquecimento global do que o gás carbônico. Pronto, era o pretexto que faltava, sobrou para os camelos australianos.

Continue lendo “Austrália quer reduzir aquecimento global exterminando camelos”

Qual é a energia mais perigosa: petróleo, carvão, gás ou nuclear?

Quando recebemos notícias sobre o desastre nuclear de Fukushima ficamos assustados com os riscos que a energia nuclear apresenta. Um acidente nuclear é sempre uma ameaça de grandes proporções ao ser humano e ao meio ambiente. O desfecho do acidente de Fukushima ainda é incerto, mas felizmente seu balanço final deve ser menos trágico que o de Chernobyl, de longe, o pior acidente nuclear da história. Diante das notícias ruins que chegam de Fukushima somos tentados a perguntar: não seria melhor fechar de vez as usinas nucleares? Que bom se a resposta fosse simples, mas antes de responde-la é bom pensar na pergunta que vem logo em seguida: que fonte de energia seria usada para substituir a nuclear? A matriz energética mundial ainda é dependente dos combustíveis fósseis e não seria exagero afirmar que o fechamento de uma usina nuclear hoje implicaria na construção de outra do tipo termoelétrica movida a óleo, gás ou carvão. É claro que o ideal seria substituir a energia nuclear e dos combustíveis fósseis por fontes mais limpas como a solar, eólica ou de biomassa, mas enquanto esse sonho não se adapta à realidade dos números temos que fazer escolhas difíceis: energia nuclear ou combustíveis fósseis? Qual é a fonte menos perigosa? Qual delas prejudica menos o meio ambiente? Para ajudar na argumentação sugiro uma visita aos artigos da Wikipedia que tratam de acidentes nas indústrias da energia.

Continue lendo “Qual é a energia mais perigosa: petróleo, carvão, gás ou nuclear?”

No Brasil nunca teremos vazamento de petróleo em águas profundas, certo?

O vazamento de petróleo pelo poço da British Petroleum no Golfo do México foi citado na imprensa insistentemente como o pior acidente ecológico com petróleo na história dos Estados Unidos. Como se acidentes ecológicos dessa dimensão respeitassem fronteiras nacionais! Como se o problema fosse apenas de uma multinacional inglesa e do país que gosta de posar na condição de exemplo para os outros.

Continue lendo “No Brasil nunca teremos vazamento de petróleo em águas profundas, certo?”

Bombril é ecológico?

Até alguns dias atrás era possível ver na TV uma campanha publicitária em que faziam uma comparação ambiental entre a esponja de aço Bombril e as esponjas sintéticas. O milenar garoto propaganda Carlos Moreno alertava que o Bombril é ecológico, ao contrário das esponjas sintéticas que, além de não serem biodegradáveis, acumulam bactérias. A propaganda foi retirada do ar por decisão do CONAR que acatou as queixas de alguns fabricantes de esponjas sintéticas.

Não existe produto absolutamente ecológico. O adjetivo ecológico é sempre relativo e só o que podemos dizer é que um produto é mais ecológico que outro. Imagine dois carros da mesma marca e modelo: um abastecido com etanol e outro com gasolina. O carro que roda com etanol é o mais ecológico e pronto, mas ambos perdem de longe para uma bicicleta quando o assunto é impacto ambiental.

Continue lendo “Bombril é ecológico?”

Empresa estatal é melhor para o meio ambiente?

Aqui no Paraná, onde moro, a água potável é fornecida por uma empresa estatal, a Sanepar; a energia elétrica é entregue pela estatal paranaense Copel e a gasolina dos carros é refinada pela estatal Petrobrás. Como se vê, bens de grande peso no impacto ambiental dos paranaenses como água, energia elétrica e combustíveis são administrados por empresas do governo. Quais as vantagens para o meio ambiente que esse modelo oferece? Tradicionalmente, as empresas estatais preferem que seus clientes consumam o mínimo possível dos produtos que oferecem. A razão é simples: elas não visam o lucro e quanto menos o cliente consumir, menos investimentos serão necessários.

Continue lendo “Empresa estatal é melhor para o meio ambiente?”