Morar em 19 m2

Qual é o espaço mínimo para morar bem? Em São Paulo, uma construtora está vendendo apartamentos de 19 m2 de área útil destinados a quem mora sozinho. Trata-se de uma tendência, pois as pessoas estão casando mais tarde, se divorciando mais e vivendo mais. Morar com menos pode ser cool além de favorável ao meio ambiente. O desapego e a ecologia andam de mãos dadas e cada vez mais pessoas estão evitando espaços desnecessários, até porque passam pouco tempo em casa. O tamanho recomendável da moradia depende do estilo de vida de cada um, mas as dicas a seguir ajudam a reduzir sua necessidade de área construída.

Apartamento com 19m2
Fonte: UOL Economia

Continue lendo “Morar em 19 m2”

Mitos sobre casas ecológicas

Antes de construir casas ecológicas precisamos demolir alguns mitos sobre esse tipo de construção se quisermos rumar para a sociedade sustentável.

Casas? Para começar, a casa ecológica não precisa ser uma casa. Pode ser um apartamento, talvez um loft, um sobrado, ou quem sabe, um flat. Não é o tipo da construção que garante selo verde a uma moradia e, sim, seu baixo impacto ambiental. Casa ecológica é a moradia com consumo de recursos bem mais baixo do que uma construção convencional. Mais baixo quanto? Não existe legislação para definir qual habitação pode receber o rótulo de “casa ecológica”, mas o bom senso recomenda que o consumo de recursos da casa realmente ecológica seja no máximo a metade do que se verifica em uma casa convencional. Isso quer dizer que a casa ecológica consome metade da água potável gasta em uma casa comum e dissipa no máximo metade da energia tragada pelas habitações convencionais. A regra do corte pela metade parece razoável para o estado da arte atual, mas temos que considerar que o conceito de casa ecológica está em constante evolução. O tempo passa, a tecnologia avança e daqui alguns anos o impacto ambiental das residências pode ficar abaixo do que conseguimos hoje com a adoção de novas práticas e tecnologias.

Continue lendo “Mitos sobre casas ecológicas”

As lições da Casa da Cascata

Em 2009, chegamos ao cinqüentenário de morte de Frank Loyd Wright, arquiteto americano criador da Casa da Cascata. Concluída em 1939 essa casa é um marco arquitetônico do século XX. Basta olhar a foto acima para entender o porquê. Frank Loyd Wright foi um dos expoentes da arquitetura orgânica. Um dos preceitos que ele seguia é de que a obra não deve se impor sobre a paisagem. Antes disso, deve se integrar a ela sem agredi-la. Na sua concepção, os materiais para a obra devem ser buscados na região, pois a obra deve ter ligação com o lugar onde se situa. No projeto da Casa da Cascata, Loyd Wright levou a sério suas idéias de integração entre a obra arquitetônica e o seu entorno. Na arquitetura orgânica busca-se uma relação afetiva entre o homem e o meio, como se houvesse uma vontade no morador de se fundir ao solo em que habita. Respeitar a paisagem, valorizar os materiais locais são princípios que talvez, para Loyd tivessem um valor estético e filosófico. O fato é que sua visão da arquitetura orgânica é precursora da arquitetura sustentável.

Continue lendo “As lições da Casa da Cascata”