História da minha vida privada

rua-das-flores

  1. Linha telefônica era investimento declarado no Imposto de renda.
  2. Cheque só era descontado na agência do emitente.
  3. Cinto de segurança era opcional, quando tinha.
  4. Fotografia era em filme de 24 poses que durava toda a viagem de férias.
  5. Linha telefônica fixa tinha espera de três anos e custava R$ 10.000,00 (valor atualizado).
  6. Postos de gasolina não podiam funcionar aos domingos ou a noite. Para economizar petróleo importado.
  7. Pesquisa era feita em dicionário, enciclopédia e lista telefônica. Tinha que saber ordem alfabética.
  8. Despertador precisava dar corda todo dia. Tinha que saber ler mostrador analógico.
  9. O leite era entregue em casa pelo leiteiro.
  10. Carro era só a gasolina e tinha umas coisas tensas como afogador, carburador e platinado.
  11. Entrava-se no ônibus pela porta de trás e a saída era pela frente.
  12. Ônibus saia do bairro e parava no centro. Terminal, estação tubo, integração, bi articulado, canaleta? Vai sonhando.
  13. Carteira de identidade era batida na máquina de escrever.
  14. Compras chiques em Curitiba eram feitas na Rua XV de Novembro ou nas galerias (Suíça, Ritz).
  15. As bolinhas de pinheirinho de natal eram de vidro bem fino.
  16. Fumava-se em qualquer lugar, mas havia pequenos espaços para não fumantes.
  17. Havia três emissoras de TV aberta. E só tinha TV aberta.
  18. Não tinha teste de bafômetro. Não havia bafômetro
  19. As emissoras de TV começaram a transmitir às 15h e encerravam a programação antes da  da meia noite. O resto do tempo era chuvisco.
  20. As rádios tinham programas especiais para gravar músicas em casa na fita cassete.
  21. No banco não tinha fila única, nem senha, nem assentos para esperar sentado. Era uma fila para cada guichê. A sua era sempre a mais demorada.
  22. O voto era em papel e o resultado saia em poucos dias.
  23. Cinemas eram espalhados pelo centro, não em shopping. Não havia shopping.
  24. No armazém, o valor de cada item era digitado na caixa registradora ou somado na ponta do lápis, que era guardado na orelha do vendedor.
  25. Vestibular era sem cotas.
  26. Não tinha TCC no final do curso.
  27. Seringa de injeção era de vidro não descartável. Quase nada era descartável.
  28. Não tinha horário de verão.

Veja também: Todos os países do mundo em Excel

Baixe a planilha com dados de todos os países e territórios autônomos do mundo. Download Assista ao vídeo com a análise dos dados da planilha.

Conservapedia e os adoradores do acaso

Felizmente, a Wikipedia não é a única enciclopédia da Internet, pois apesar de todas as suas virtudes, ela tem suas limitações. Recentemente, surgiu a Conservapedia (www.conservapedia.com), que usa estrutura de wiki e se propõe a fazer um contraponto à Wikipedia trazendo uma visão cristã conservadora do mundo. Seus verbetes mais polêmicos são aqueles ligados à evolução. Lá se afirma que o mundo surgiu a cerca de 6000 anos e que os homens conviveram com os dinossauros. Todos têm o direito de crer no que acham melhor para si, mesmo que as evidências apontem na direção oposta. Mas o que me incomoda nesse caso, não são os criacionistas que mantêm a Conservapedia. Preocupa-me o fundamentalismo oposto. Os criacionistas não têm voz ativa no meio científico, ao contrário dos ateístas militantes. Eu nunca consegui entender o que o ateísmo tem a ver com ciência. Sempre entendi que a ciência deve manter igual distância tanto do criacionismo quanto do ateísmo, porque as duas vertentes tem muito em comum entre si e nada em comum com o pensamento científico. Nunca fui a fundo para saber se o fundamentalismo ateu influencia de alguma forma negativa o pensamento científico. Sabemos que o criacionismo, turvou por muito tempo o avanço de teorias como a da evolução. Resta saber se a hipótese do acaso não causa igual estrago à evolução da ciência.

Homo artificalis

Ao escrever o romance Frankenstein, Mary Shelley antecipou um dos grandes dramas humanos do terceiro milênio: o cientista cria e a criatura se rebela contra o criador. Ao meditar sobre as possibilidades da engenharia genética sou levado a crer que um dia o homem criará o seu sucessor como espécie dominante nesse planeta. No passado, o homo sapiens, de alguma forma, venceu a luta pela perpetuação em contraste com outros hominídeos que como o homem de Neanderthal se extinguiram. Quando os homens usarem os recursos da engenharia genética para criar novas espécies a tentação será irresistível no sentido de criar uma espécie derivada da humana, mas superior em habilidades. Como a evolução é progresso e não meramente adaptação, estará aberto o caminho para o surgimento de formas de vida mais complexas do que as que conhecemos, no caso mais complexas e sofisticadas do que nós mesmos. Não estou falando de robôs ou andróides que se rebelam contra a espécie humana, mas em uma nova espécie derivada da humana, vida autêntica com aquele irresistível impulso de perpetuação e que há de se impor como nova espécie dominante. E isso se dará por uma ração simples: a nova espécie é superior em habilidades e terá uma vantagem competitiva esmagadora sobre a espécie que a gerou. Nesse ponto o papel do homo sapiens estará cumprido. Entregaremos o bastão e uma espécie mais qualificada assumirá o comando na tortuosa tarefa de se aproximar de Deus.