Reciclável e não reciclável

Teoricamente, tudo é reciclável. Na prática não é bem assim. Para muitos materiais a reciclagem é uma realidade economicamente viável. Papel, plástico, vidro e metal são exemplos de materiais cuja reciclagem ocorre sem a necessidade de incentivos ou legislação. São reciclados porque dá lucro e a tendência é que as taxas de reciclagem desses materiais aumentem cada vez mais.

A viabilidade econômica é um dos fatores mais importantes na reciclagem. Para um material ser reciclado é preciso que o produto gerado tenha valor comercial, que haja uma técnica viável de reciclagem, que o custo não seja proibitivo, que haja interesse do consumidor em usá-lo, etc.

Alguns detalhes perversos

Alguns detalhes que são decisivos para a reciclagem funcionar:

  • Viabilidade técnica: é preciso que haja uma solução técnica para reciclar o material.
  • Viabilidade econômica: é preciso que a indústria da reciclagem do material seja economicamente viável.
  • Reciclagem infinita: alguns materiais permitem reciclagem infinita, ou seja, o mesmo material pode passar várias vezes pela reciclagem sem perder qualidade. Exemplo: alumínio, aço e vidro.
  • Reciclagem efetiva: muitas vezes o material é reciclável e os fabricantes fazem propaganda de que estão usando material reciclável, mas na prática a reciclagem não ocorre porque algum elo da cadeia produtiva ainda está faltando.

Quando dizemos que um material não é reciclável, estamos afirmando que não é reciclável na realidade atual. Com o tempo, podem surgir leis, técnicas e ideias que viabilizem seu reaproveitamento. A sociedade pode passar a valorizar mais o produto reciclado e os custos podem ficar atraentes. Enfim, a possibilidade de reciclar materiais é dinâmica e há uma forte tendência para ampliar cada vez mais a lista dos materiais recicláveis. O que é inviável hoje, pode ser muito interessante amanhã.

O importante é que a reciclagem se fortaleça continuamente até chegarmos a uma economia sustentável que não corre o risco do esgotamento dos recursos naturais. Se a sociedade optar decididamente pela economia sustentável, haverá inclusive um abandono gradativo dos materiais difíceis de reciclar.

O que é reciclável e o que não é

Veja na tabela a seguir, como identificar os materiais recicláveis mais comuns no cotidiano.

MaterialÉ reciclávelNão é reciclável
MetalArame
Chapa de aço
Embalagem de aço
Embalagem de alumínio
Fio de cobre
Panela sem cabo
Esponja de aço
Lata de aerossol
Lata de tinta
Lata de verniz
PapelCaderno
Caixa de papelão
Embalagem
Jornal
Papel de fax
Papel de impressora
Papel sulfite
Revista
Etiqueta adesiva
Fita crepe
Papel carbono
Papel engordurado
Papel metalizado
Papel parafinado
Papel plastificado
PlásticoCano
Copo
Embalagem
Garrafa PET
Pote
Sacola
Acrílico
Adesivo
Cabo de panela
Celofane
Embalagem metalizada
Espuma
VidroCopo
Embalagem
Garrafa
Vidro de carro
Espelho
Louça
Porcelana
Tubo de TV
Vidro temperado

Veja também: Ambientalistas que se culpam por nascer

10 pensou em “Reciclável e não reciclável

  1. O que trava o processo de reciclagem de muitos materiais é a sede por margens de lucro sempre muito compensadoras. O ambiente natural não tem qualquer valor na lógica capitalista.

  2. Gostaria de saber o motivo maior pelo qual o vidro temperado não pode ser reciclado?
    o vidro em geral pode ser reciclado, ou seja, volta ao forno e com menor quantidade de matéria prima virgem, retorna à linha de produção normalmente.
    É o meu questionamento, porque com o vidro temperado, não?
    obrigado

  3. eu gostaria de saber tbm os recicláveis e não recicláveis das outras categorias, eu não acho em canto nenhum

Sua opinião me interessa