Arquivo da categoria: Comportamento

A ilha dos chimpanzés satanistas

Em uma ilha isolada viviam 1000 chimpanzés que constituíram uma sociedade próspera. Graças a uma erva encontrada apenas na ilha os chimpanzés desenvolveram sua capacidade intelectual e formaram uma comunidade avançada. A paz era garantida graças à religião pacifista que os símios professavam. Mas como unanimidade é utopia dez macacos da pá virada resolveram criar uma segunda religião na ilha. Em vez de seguirem a Deus e praticarem o bem o grupinho de chimpanzés tresloucados cultuava Satanás.

Um belo dia, durante o culto principal da religião do bem foi servido como de costume o chá da erva miraculosa que elevava o espírito e a inteligência dos macacos. Por infortúnio do destino naquele dia o Grão Sacerdote se confundiu no preparo do chá e serviu a todos uma infusão com a erva errada. Todos os 990 chimpanzés presentes no culto morreram em questão de horas.

Continue lendo A ilha dos chimpanzés satanistas

O Telegram e a linha Marginot

Quando um hacker invadiu o Telegram do Ministro Sérgio Moro logo lembrei da linha Marginot. Depois da Primeira Guerra Mundial os franceses construíram uma linha de defesa na fronteira com a Alemanha para impedir um possível ataque alemão. Chamaram-na de linha Marginot e era considerada impenetrável, verdadeiro orgulho da engenharia militar francesa. Até os alemães concordavam que não dava para romper a linha Marginot, tanto que na Segunda Guerra Mundial invadiram a Bélgica e entraram na França pela fronteira belga.

Linha Marginot
Continue lendo O Telegram e a linha Marginot

Xônsqui, o crítico crica

Xônsqui não abdica de seu dever moral de nos corrigir. Aprendam com ele.

  • Doutor é quem faz doutorado.
  • 70 kg é massa. Peso é em Newton.
  • Raul Seixas errou ao dizer “Eu nasci há dez mil anos atrás.”
  • Não existiram escravos, mas povos escravizados.
  • Terceira idade, não. Melhor idade.
  • Nem empregado, nem funcionário. Colaborador.

Xônsqui, o crítico crica
Xônsqui
Continue lendo Xônsqui, o crítico crica

Não dê conselhos. Venda-os

A regra é simples, mas fundamentada. Se o seu conselho é bom, então deve ter valor de mercado. Se não é, bem nesse caso o melhor é ficar calado. É grande a lista das pessoas que vivem de dar conselhos: coachers, consultores, palestrantes, evangelistas, especialistas, digital influencers, religiosos e por aí vai. São pessoas que estão lucrando com algo que talvez, você esteja doando por aí a quem não precisa ou não quer.

Bem sei, conselho bom mesmo chama-se exemplo, mas às vezes as palavras de alguém que sabe o que diz podem ser úteis. Se você adotar a regra de botar preço nos conselhos fica mais fácil decidir se solta o verbo ou fica quieto. Seja crítico com você mesmo. Você pagaria para ouvir as suas próprias ideias? Com certeza, seu repertório vai melhorar, afinal você vai se esforçar mais para ter o que dizer e logo vai concluir que conselho grátis bom mesmo é só o de mãe.

P.S.: Este foi meu último conselho grátis.

Por que nas redes sociais as pessoas …

Não é de hoje que essas perguntas clamam por resposta. Quem as tiver, por favor compartilhe.

Por que nas redes sociais as pessoas …

  • Curtem suas próprias publicações?
  • Compartilham links para assinantes?
  • Apagam comentários que não lhes agradam?
  • Excluem quem gostariam de influenciar?
  • Mandam indiretas?
  • Postam fotos de lado ou de ponta cabeça?
  • Compartilham manchete que está em todas as mídias?
  • Começam a frase com “eu não devia dizer …”
  • Fazem listas com perguntas?