Arquivo da categoria: Comportamento

A arte de escrever em tempos de Internet

Com o advento dos blogs, as pessoas estão escrevendo mais, embora pior. Quem disse isso foi o Prêmio Nobel de Literatura José Saramago, ele mesmo blogueiro. Depois de ler essa declaração forte do Saramago fui direto ao blog dele conferir se a opinião se aplicava aos posts que ele mesmo produzia. Que nada! O blog desse polemicista era muito ativo e a qualidade dos textos, impecável. Saramago nos esclarece: a facilidade com que se produz um blog leva mais pessoas a escrever, embora muitos não se preocupem em publicar textos burilados. Ele, Saramago, tratava seus posts com o mesmo rigor de seus romances. Eis um bom exemplo para se refletir sobre esse gênero novo de escrita em que a instantaneidade e a urgência às vezes são confundidas com improviso e afobação.

Continue lendo A arte de escrever em tempos de Internet

O futuro incerto do nosso passado digital

Paul Carr em artigo do blog TechCrunch dá um conselho às pessoas que desejam preservar a sua história pessoal: parem de escrever e-mails e mensagens em redes sociais e voltem a escrever cartas enviadas pelo correio. Concordo com Paul quanto ao potencial de uma carta em papel para resistir por muitas décadas como prova material de nossas experiências passadas, virtude que os meios eletrônicos voláteis ainda não demonstraram. O problema é que se voltarmos a escrever cartas para registrar os momentos importantes de nossas vidas estaremos passando uma falsa ideia sobre nossos hábitos às pessoas que no futuro se defrontarem com esses pedaços de papel impregnados de lembranças. A nossa comunicação hoje em dia acontece por e-mail e por redes sociais e, portanto, se desejamos conservar testemunhos autênticos de nossa história temos que descobrir uma maneira de conservar os e-mails e as mensagens postadas no Facebook e no Tweeter. Se você ficou preocupado com a sua biografia, talvez lhe sirva de consolo que a preservação da memória digital é um problema que vai além da experiência pessoal, é um desafio para os historiadores.

Continue lendo O futuro incerto do nosso passado digital

Características de pessoas inteligentes

Digitei o título deste post no Google para ver o que acontecia. Apareceu uma enxurrada de matérias jornalísticas e postagens de blogs que repercutiam pesquisas de instituições variadas e que se propunham a responder à pergunta. O tema parece que interessa às pessoas e, por isso, vamos ao resumo das características que eu coletei lendo os textos.

Pessoas inteligentes …

  • Gostam de ficar em casa.
  • Dormem tarde.
  • Têm poucos amigos.
  • São bagunçadas.
  • Falam sozinhas.
  • Consomem drogas.
  • Falam palavrões.
  • Não tem filhos.
  • São vegetarianos.
  • São LGBTs.
  • São primogênitos.
  • Tocam instrumento musical.
  • Tomaram leite materno.
  • São canhotos.
  • São altos.
  • São arrogantes.
Continue lendo Características de pessoas inteligentes

Desaforismos e pensamentos incorretos 2020

Continuando a série de divagações aleatórias sob uma perspectiva polemicista infame.

  • Tradicional, decadente, militante, ressentida, ultrapassada. Qual é o melhor adjetivo para definir a mídia mainstream brasileira e mundial?
  • Estado laico não é Estado ateu.
  • O tiozão do churrasco financia e prepara o churrasco. Trate-o como um rei.
  • Todo jacobino começa guilhotinando e termina guilhotinado.
  • Como Pedro na fábula, a mídia alardeia um lobo por semana. Quando o lobo vier ninguém dará atenção.
  • Para vencer o gramscismo, siga Gramsci.
  • Faça seu próprio jornalismo: apure, cheque e analise porque a grande mídia virou militância.
  • Em Política, o que você critica vale pouco. O que importa é o que você apoia.
  • Quando o político errado faz a coisa certa, tudo bem. O problema é o contrário.
  • Trate bicho como bicho. Gato não é vegano, nem seu filho, nem precisa de festinha. Ele prefere brigar no telhado.
Continue lendo Desaforismos e pensamentos incorretos 2020

Meu minimalismo

O que é

Não sei bem o que é, mas vou dar a minha versão. Minimalismo é uma filosofia prática, orientada para a conduta cotidiana. De certa forma, é uma reação ao modo de vida adotado por muitas pessoas, inclusive eu no passado, a um estilo de vida consumista que tem gerado mais frustração do que bem-estar e que se não for deixado de lado nos levará ao colapso pelo esgotamento dos recursos naturais.

Para mim, a visão de mundo de cada um é condicionada pela sua experiência de vida e, por isso, deixem-me partir de um exemplo familiar. Meu avô Lourenço era sapateiro, ganhou a vida consertando sapatos. Embora ainda existam alguns sapateiros por aí, a maioria das pessoas atualmente prefere descartar os sapatos gastos em vez de consertá-los. Além disso, mantêm uma coleção de sapatos muito maior do que precisam para viver. Minhas avós e minha mãe tinham máquina de costura em casa, sabiam usá-la e faziam reparos nas roupas da família até onde dava. Meu pai nunca teve carro, não sabia dirigir e viveu bem até os 86 anos.

Continue lendo Meu minimalismo