Calçada pública de granito para bacanas

No início de 2013 os curitibanos foram surpreendidos com uma obra pública para lá de estilosa. A revitalização em andamento da Rua Bispo Dom José previa a pavimentação de 5.000 metros de calçada com pranchas de granito. Localizada no bairro nobre do Batel, a calçada de granito deixou indignados muitos curitibanos entre os quais me incluo. Curitiba é mal servida de calçadas. Em muitas ruas elas são precárias, esburacadas e irregulares. Em outras, sequer existe calçada e, por isso, surpreende a decisão da administração do ex-prefeito Luciano Ducci de pavimentar uma rua com granito, revestimento nobre e caro. O novo prefeito Gustavo Fruet interveio e decidiu manter o granito apenas nos 1.000 metros já instalados. Nos demais 4.000 metros da obra serão utilizados lajotas de concreto (paver), o mesmo pavimento usado nos demais bairros da cidade.

No bairro Butiatuvinha onde moro, não fomos contemplados com calçadas de granito. Lá, cabe ao proprietário custear a calçada na frente de sua casa seguindo os padrões estabelecidos pela prefeitura. Recentemente, muitas calçadas do meu bairro foram refeitas para se adequar à nova diretriz municipal que exige uma taxa mínima de infiltração da água pluvial. Concordo com as regras adotadas no meu bairro e, por isso, fiquei indignado com as calçadas de granito do Batel.

Alguns defensores das calçadas chiques de granito apresentaram argumentos para defendê-las: “elas vão atrair turistas”; “os moradores do Batel pagam mais impostos do que os que moram na periferia”; “é uma experiência que pode servir de modelo para outros bairros”. Sinceramente, esses motivos são fraquinhos e parecem mais desculpas para justificar uma farra de gastos de final de mandato.

Uma boa calçada deve ser ampla, antiderrapante e sem desníveis para facilitar a circulação de idosos e cadeirantes; deve ser permeável para facilitar a infiltração de água de chuva; barata para economizar dinheiro público e, por último, deve causar um bom efeito paisagístico. A calçada com placas de granito é impermeável, escorregadia quando molhada e custa mais do que o dobro do que outras boas soluções. Curitiba que já passou pela época do petit pavé pode dar bons exemplos de urbanismo sustentável, mas não vai ser com calçadas de granito.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

1 pensamento em “Calçada pública de granito para bacanas”

  1. Primeiramente acho que o titulo do texto, pra variar no Brasil, remete ao povo que estuda e se empenha menos, a invejar quem estudou e se empenhou mais. Não tem nada a ver colocar esse tipo de titulo e texto sendo que todos somos iguais e o tratamento deve ser igual. Já chega esse governo populista e comunista ficar criando cotas, direitos a bandidos, kit gay, etc. Total inversão de valores. Agora, falando totalmente isento de ideologias de um lado e de outro, todas as calçadas de uma cidade devem sempre ter o mesmo padrão e o mesmo material. Pra que gastar milhoes em algo supérfluo se podemos fazer calçadas lindíssimas com concreto? O dinheiro que sobrar que se invista em educação de qualidade. Essa e minha opinião.
    Adriano – Conservador , cristão e defensor dos direitos da familia

Sua opinião me interessa.