Arquivo da categoria: Para começar

Convenções

Usaremos as seguintes convenções de representação:

Uso e menção: Para mencionar um segmento de discurso enquanto signo,  usaremos itálico. Por exemplo:

O significado de significado é estudado pela Semântica.

Transcrição biunívoca orientada para o português: A transcrição fonológica específica para o português adotada em nosso trabalho será colocada entre barras. Por exemplo:

A transcrição fonológica de exceção é /êsêsãw/.

Nesse caso, usaremos um conjunto próprio de grafemas para as transcrições fonológicas que pode ser visto na seção Grafologia.

Transcrição da IPA: Nos casos em que fizermos transcrição fonológica nos padrões da Internacional Phonetic Association, usaremos colchetes para delimitá-la.

Enunciados mal formados. Serão indicados por um apóstrofo inicial. Por exemplo:

* Menino cachorro o mordeu a.

Gramática

 

 

Pressupostos metodológicos

Os estudos gramaticais passam por um momento de descrédito, como reflexo da crise de identidade em que o estudo de língua portuguesa mergulhou nos últimos anos. A gramática tradicional normativa é posta em xeque e as reflexões novas sobre nossa língua ainda não estão perfeitamente delineadas. Escrever gramática sob o fogo cruzado das facções em disputa nesse momento de transição é tarefa ingrata. Corre-se o risco da incompreensão e da crítica destrutiva. Mas não podemos nos dar por satisfeitos só por repelir uma proposta gramatical caduca. O vácuo deixado pelos gramáticos tradicionais precisa ser preenchido. Essa será nossa meta: arejar os estudos gramaticais deixando-os mais afinados com a realidade contemporânea de nossa língua.

Gramática

Continue lendo Pressupostos metodológicos