Arquivo da categoria: Recursos

Recursos retóricos ortográficos

Antes de tratar das relações entre ortografia e Retórica, vamos comentar algo sobre a ortografia em  si, o que nos servirá de  ponto de partida para propósitos posteriores.

Ortografia é um conjunto de regras que disciplinam a emissão do discurso na sua forma escrita, que é a forma traduzida do discurso oral e pode adotar como unidade mínima o fonema, a sílaba, o morfema, a palavra. Também pode ter representação unitária para categorias superiores à palavra, como locuções, nomes, frases. A unidade mínima terá como correspondente na emissão visual, escrita, o grafema. As ortografias que usam o alfabeto romano são fonológicas. Ortografias que usam como unidade mínima a palavra, com alguma reserva, podem ser chamadas ideogrâmicas, pois remetem a palavras, que em geral remetem a idéias.

Continue lendo Recursos retóricos ortográficos

Oxímoro

Oxímoro é o enunciado contraditório à primeira vista, ou seja, faz-se a conjunção de duas proposições das quais uma é a negação ou implica na negação da outra.

O que diferencia o oxímoro da contradição propriamente dita é a intencionalidade do oxímoro, a proximidade dos termos contraditórios, a visibilidade flagrante e a admissibilidade de uma decifração.

Continue lendo Oxímoro

Repetição

A repetição como recurso de Retórica é praticada em diversos níveis: fonológico, gramatical, gráfico, etc. Há três casos de repetição:

  • Repetição de formas de mesma função, ocorrências redundantes.
  • Repetição de funções sob diferentes formas, igualmente redundantes.
  • Repetição de formas com diferentes funções. Não há redundância. Um exemplo: ‘Come para viver ou  vive para comer?’

A repetição é praticada por razões diversas, às vezes sobrepostas, tais como:

  • Icônica. Neste caso pratica-se para sugerir obsessividade, tipicidade, monotonia, etc.
  • Para fazer trocadilho.
  • Para criar rima, ritmo.
  • Para retomar um conceito provisoriamente inconcluso ou não desenvolvido por razões didáticas. Exemplo: Há três razões: A, B e C. A porque …, B porque …, C porque …
  • Porque o conceito surge repetidas vezes ao longo do discurso. Por exemplo: em uma biografia de Shakespeare não se conseguirá evitar contínuas repetições da palavra Shakespeare.
  • Por não se usar o zeugma.
  • Para criar redundância.
  • Por ser uma repetição estrutural da língua. Por exemplo: no português o dígrafo ss.
  • Para enfatizar. Um exemplo: Hamlet perguntado sobre o que lia, diz: Palavras, palavras, palavras.
Continue lendo Repetição

Rima

Genericamente, rima é toda semelhança fonológica entre as partes do discurso, é repetição fonológica. Alguns exemplos de rimas entre palavras:

  • Posteriores: rimalimaprima.
  • Anteriores: copocópulacópia.
  • Difusas: tártaroextratotratadotântalo.
  • Igualdade de métrica.
  • Igualdade quanto à colocação de acentos de intensidade.

    Continue lendo Rima

Segmentação do discurso

O discurso é segmentado em unidades discretas em todos os níveis lingüísticos: fonológico, gráfico, morfológico, sintático e semântico. Além da segmentação com funções lingüísticas, há segmentações retóricas e segmentações estilísticas. Uma diferença relevante entre segmentação lingüística e retórica é o fato de a retórica ocorrer também num nível superior ao gramatical. A segmentação do discurso pode se dar na área do significante ou do significado.

Continue lendo Segmentação do discurso