Todos os verbos abundantes

Na gramática tradicional chamamos abundantes os verbos que apresentam mais de uma flexão válida para o mesmo tempo verbal. O caso típico é a abundância do particípio quando apresenta as formas regular e irregular.

Não há uma regra que permita dizer quando o verbo é abundante. É preciso convívio com a língua para dominar essa particularidade do sistema verbal. Os dois casos de particípio, quando ocorrem não são equivalentes. Cada um é usado em situações específicas definidas pela norma culta.

O particípio regular é usado no tempo composto do modelo TER/HAVER + particípio como em:

Tem aceitado.

Havia aceitado.

O particípio irregular usa-se com o tempo composto do modelo SER/ESTAR + particípio como em:

Foi aceito.

Será aceito.

Em muitos casos a variante irregular se forma pela eliminação de parte do sufixo flexivo, especificamente sua parte inicial. Assim, acei-tad-o se reduz a aceit-o.  Essa solução é mais usada com verbos de final AR.

Também é comum um fonema novo substituir parte da forma regular como em ace-ndid-o que muda para ace-s-o ou ben-zid-o que muda para ben-t-o.

letras


Veja também: Conjugador de verbos em Excel

Para provar que existe lógica em nossa língua resolvi criar um conjugador de verbos em Excel. Baixe a planilha e use no celular ou no computador. Download Assista ao vídeo, veja como a planilha funciona e entenda melhor o nosso sistema de verbos.

Continue lendo “Todos os verbos abundantes”

Estrutura sintática da língua portuguesa

Toda a comunicação em língua portuguesa brasileira se dá em conformidade com uma estrutura de regras gramaticais implícitas. Na lista de itens a seguir, explicitamos uma parte dessas regras. O conjunto completo é sem dúvida mais complexo do que a aproximação tosca a que nos propomos. Em conjunto, as regras relacionadas permitem gerar os enunciados aceitáveis de nosso idioma.

Continue lendo “Estrutura sintática da língua portuguesa”

Níveis de análise linguística

A Lingüística analisa o discurso decompondo-o em constituintes, mas faz isso a partir de mais de uma perspectiva. A lingüística opera em níveis de análise que formam um modelo de camadas concêntricas. Vamos entender como se dá a análise lingüística através de um exercício, tomando para exemplo o primeiro parágrafo do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.

Continue lendo “Níveis de análise linguística”

Variante culta

A variante culta, também chamada de norma culta ou norma padrão, é a variedade lingüística de caráter oficial para nosso idioma. É a variante recomendada para os contextos formais, estudada na escola, amplamente descrita e abonada pelos gramáticos normativos. Seu status é diferenciado em relação a outras variantes. Tem prestígio e tutores, tanto que é a única variante protegida por lei.

Continue lendo “Variante culta”

Variantes linguísticas

A língua é um meio de expressão onipresente na sociedade usado nos mais variados contextos da vida social. Esse uso intensivo gera uma tendência natural à diversidade. Seria ingênuo esperar que a língua fosse homogênea, afinal seu uso não é homogêneo. Ela permeia toda a vida social e, em função disso, apresenta variedades que se manifestam e se desenvolvem em diferentes contextos de uso. Seria um exagero afirmar que existem línguas dentro de uma língua porque as variações do idioma gravitam em torno de um núcleo comum. Podemos fazer uma comparação livre entre a língua e as espécies biológicas. Em uma espécie biológica sempre encontramos variedade. Por vezes, os indivíduos da espécie podem ser agrupados pela semelhança em conjuntos chamados de raças. Embora as raças contrastem entre si em muitos aspectos, pertencem a uma mesma espécie e o cruzamento entre indivíduos de raças diferentes gera descendentes férteis. Com a língua ocorre algo similar. As variedades da língua contrastam entre si, mas como pertencem a um núcleo comum os falantes se entendem mesmo quando falam entre si misturando variedades diferentes da língua.

Continue lendo “Variantes linguísticas”