Grafemas da ortografia brasileira

No Brasil, usamos 78 grafemas para representação de fonemas:

aàáâãbcçdeéêfghiíjkl
mnoóôõpqrstuüúvxywz
AÀÁÂÃBCÇDEÉÊFGHIÍJKL
MNOÓÔÕPQRSTUÜÚVXYWZ

Consideramos maiúsculas e minúsculas distintamente, em vez de tratá-las como variantes do mesmo grafema, porque em nossa ortografia maiúsculas e minúsculas têm funções distintas e não podem ser comutadas livremente.

Além dos grafemas fonológicos, empregamos outros 14 sinais ortográficos:

. , ; : ? ! … ( ) ’ “ ” – –

Os sinais não fonológicos de nossa ortografia formam um grupo bastante heterogêneo e as funções que desempenham são variadas. Alguns são supra segmentais como os pontos de interrogação e exclamação, que orientam a entoação da leitura. Outros, exercem função sintática como parênteses, ponto, vírgula, ponto e vírgula, dois pontos e hífen. Ainda temos os que cumprem funções ligadas ao foco do discurso como travessão e aspas. Por fim, temos que considerar que em alguns casos o sinal exerce mais de uma das funções citadas.

Alguns ideogramas também estão presentes em nossa ortografia como:

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Para completar, existem sinais que ficam em área limítrofe, não se podendo afirmar com certeza se pertencem ao domínio ortográfico do idioma como:

[ ] { } * @ & % + / º $ §

Correspondências entre grafemas e fonemas

Na situação ideal, teríamos correspondência biunívoca entre grafema e fonema, ou seja, um grafema para cada fonema e vice-versa. Não é o que acontece na língua portuguesa. Há muitos casos de fuga à regra do um para um. Podemos classificar as correspondências entre fonema e grafema da seguinte forma:

  • Relação biunívoca. Um grafema para um fonema e vice-versa. Em português, são biunívocos: b, d, f, p, t ev. Isso quer dizer que não existe nenhum caso em que o fonema /b/ não seja representado pelo grafema b.
  • Grafema representa univocamente fonema. O grafema j, por exemplo, representa univocamente o fonema /j/. Este, porém, é representado também pelo grafema g. Exemplos: gelojarrogiro.
  • Fonema representado univocamente por grafema. O fonema /r/, por exemplo, é representado unicamente pelo grafema r. Este, porém, representa também o fonema /R/. Exemplos: caroraro.
  • Um fonema para vários grafemas. Um fonema é representado de várias formas em palavras diferentes. O caso mais notável é o do fonema /s/ que tem inúmeras representações. Exemplos: seta, cebola, espesso, excesso, açúcar, auxílio, asceta.
  • Um grafema para vários fonemas. Em palavras diferentes, o grafema apresenta diferentes valores fonológicos. Por exemplo: casa/cebola, erro/era,gelo/garra, xarope/exílio.
  • Grafema mudo. O grafema não expressa nenhum fonema. É o caso do grafema h quando ocorre no início da palavra como em: harpa, herança, hiato, homem ehumilhação. É o caso também do grafema u em palavras como: guerraguinada.
  • Dígrafo. O fonema é representado por dois grafemas. Por exemplo: êmboloantachuva, pássaro, carro. Em português, esse tipo de abundância se limita a no máximo dois grafemas.
  • Fonema representado só por dígrafos. O fonema /ẽ/ é representado em português apenas por dígrafos como: êmboloempadaentãoênfase. Também estão nessa categoria os fonemas /ĩ/ e /ũ/.
  • Dígrafo biunívoco. Em português, os fonemas /ñ/ e /λ/ são representados de forma biunívoca pelos dígrafosnhlh respectivamente. Exemplos: manhã, velho, vinho, telha.
  • Dífono. Um grafema expressa dois fonemas. Em português, o grafema x apresenta esta característica em palavras como: sexo, /cso/, tórax, /tóracs/

Diferença entre grafema mudo e dígrafo

Um grafema é mudo quando não modifica o valor típico dos grafemas adjacentes. Por exemplo:

harpa, herança, hiato, hoje e humilhação.

Nos exemplos, h é grafema mudo porque não altera os valores típicos de a, e, i, ou, que estão representando respectivamente /á/, /ê/, /i/, /ô/ e /u/.

Da mesma forma, o grafema u em guerraguinada é grafema mudo porque não altera os valores típicos dos grafemas adjacentes. O grafema g, por exemplo, está representando o fonema /g/ como em gatograma egarganta.

Um grafema compõem um dígrafo quando cada grafema do par perde o valor típico e juntos passam a representar um terceiro fonema. Por exemplo:

ombro, amplo, anta, indicação.

Nos dígrafos realçados, os grafemas perderam seu valor típico de representação. O grafema n, por exemplo, não está representando o fonema /n/, função que lhe é típica. O grafema m, por sua vez, não representa o fonema /m/, o que acontece comumente. Percebemos isso mais claramente contrastando as palavras do exemplo anterior com as da lista a seguir:

omoplata, amigo, analgésico, início.

Alguns argumentos podem ser levantados contra o conceito de grafema mudo. Vamos exemplificar um deles analisando a série a seguir:

guarida, guaraná

garra, gato.

guerra, gueto.

gelo, geriatria.

guirlanda, guindaste, guisado.

giro, gim.

Em português, a seqüência de grafemas gu tem comportamento ortográfico característico.

Quando gu é seguido de a, o grafema u não é mudo. Nesse caso, u representa /ú/.

Quando gu é seguido de e ou i,  o grafema u é mudo.

Quando g é seguido e ou i, representa invariavelmente /j/.

Pode-se dizer, a partir dessa análise que a função de uquando interposto entre g e os grafemas e i é sinalizar o valor de g como /g/ e não como /j/. Esta é uma interpretação válida, mas cremos que a partir dela não se pode concluir que gu é dígrafo, afinal g representa tipicamente /g/ e /j/ em outros contextos.

Perfil de uso dos grafemas

Na tabela a seguir vemos o perfil de uso dos grafemas da língua portuguesa.

GrafemaNomeFonemas que representaCaracterísticasExemplos
aa/á/Representa /á/ na maioria das ocorrências do fonema.aberto, cobiça
/â/Representa /â/ em muitas de suas ocorrênciascano, fanho, ramo
àa
craseado
/á:/
(longo)
Conhecido como a craseado, representa a contração da preposição acom o artigo a.Fomos àfesta
áa com acento agudo/á/Representa /a/ em alguns casos em que o fonema ocorre na sílaba mais intensa da palavra.sabiá, clássico
âa com acento circunflexo/â/Usado em alguns casos em que o fonema /â/ ocorre na sílaba intensa da palavra.câmara, cânhamo
ãa com til/ã/Representa univocamente /ã/, geralmente quando este ocorre na sílaba final da palavra.manhã, vilã, câibra
b/b/Representa biunivocamente o fonema /b/.baba, bilhar
c/s/Normalmente crepresenta /s/ quando seguido de /e/, /é/, /ẽ/,/i/ ou /ĩ/.cebola,cedro,centro,cívico, cinco
/k/Normalmente crepresenta /k/ quando seguido de /a/, /ã/, /o/, /ó/, /õ/, /u/, /ũ/ ou consoante.casa, canto,cobertura,cova, conto,cume,cumprir,cratera,clavícula.
çcê-cedilha/s/Normalmente usado antes de /a/, /ã/, /o/, /ó/ ou /u/. Nunca inicia palavra e representa /s/ univocamente.açafrão, ação, poço,poça,  açúcar.
d/d/Representa biunivocamente o fonema /d/.dado,dúvida.
ee/ê/Representa /e/ na maioria das ocorrências do fonema.medo
/é/Representa /é/ na maioria das ocorrências do fonema.quirera
ée com acento agudo/é/Representa /é/ univocamente em alguns casos em que o fonema ocorre na sílaba mais intensa da palavra.época
êe com acento circunflexo/ê/Representa /e/ em alguns casos em que o fonema ocorre na sílaba mais intensa da palavra.porquê
fefe/f/Representa biunivocamente o fonema /f/.fígado,farofa.
g/g/Normalmente representa /g/ quando seguido de /a/, /ã/, /o/, /ó/, /u/ ou por consoante. E também quando seguido pelos pares ue,ui em que u é mudo.garra,gambito,governo,gosma,guru,guaraná, anglicano, agrícola,guerra,guincho.
/j/Normalmente representa /j/ quando seguido de /e/, /é/, /ẽ/, /i/ ou /ĩ/.gelo,germe,gente, giro,gim.
hagáNenhumNão representa individualmente nenhum fonema. É mudo quando inicia palavra. Forma os dígrafos chlhnh.harmonia,hera, hino,hora,húmus,chuva, telha, lenha.
/h/Em palavras de origem estrangeira incorporadas recentemente, h pode representar o H aspirado.hardware,hub, know-how.
ii/i/Representa /i/ na maioria de suas ocorrências.ilha, pinote
íi com acento agudo/i/Representa /i/ em alguns casos em que o fonema ocorre na sílaba mais intensa da palavraídolo, artífice
jjota/j/Representa univocamente /j/ em muitas das ocorrências do fonema.jejum,jardim
k/k/Oficialmente excluído da ortografia brasileira, é de uso limitado. Ocorre em palavras de origem estrangeira ou recentemente incorporadas ao idioma. Normalmente representa o fonema /k/.Hong Kong,Kremlim
lele/l/O fonema /l/ é representado  univocamente por l.lanche, livro
/w/Normalmente lrepresenta /w/ no final da palavra.varal, papel, refil, fenol, sul,maldição
meme/m/O fonema /m/ é univocamente representado por m.mato,muito
nene/n/O fonema /n/ é representado univocamente por n.nata, navio
oo/ô/Representa o fonema /o/ na maioria de suas ocorrênciasovo, governo
/ó/Representa o fonema /ó/ na maioria de suas ocorrênciasamora, cova
óo com acento agudo/ó/Representa /ó/ em algumas ocorrências em que o fonema está na sílaba mais intensa da palavra.óbito, curió
ôo com acento circunflexo/ô/Representa /o/ em algumas ocorrências em que o fonema está na sílaba mais intensa da palavra.ônibus, complô
õo com til/õ/Representa o fonema /õ/ basicamente nos plurais terminados emões.embriões, mansões
p/p/Representa biunivocamente o fonema /p/pato,pipoca
qquê/k/O grafema qrepresenta univocamente /k/ em algumas ocorrências do fonema. Qsempre ocorre seguido de u ou ü. Com u,  forma dígrafo quase sempre, mas em alguns casos u representa /w/.quadrilha,queijo,quimera,quorum, arqui, eloqüente, loquaz.
rerre/r/O fonema /r/ é univocamente representado por r.caro, barato
/R/O fonema /R/ é representado por r quando está no início de palavras.rato, ripa
sesse/s/O grafema srepresenta /s/ em algumas ocorrências do fonema.saco, anseio, versátil
/z/O grafema srepresenta /z/ em algumas ocorrências do fonema. Snunca representa /z/ em início de palavra.casa, acaso
t/t/Representa biunivocamente o fonema /t/trator,tarântula
uu/u/Representa /u/ na maioria das ocorrências do fonemauva, urubu
üu com trema/w/Representa /w/ em algumas ocorrências do fonema, sempre antecedido deq ou g.ungüento, eloqüente
úu com acento agudo/u/Representa /u/ em algumas ocorrências do fonema em que este ocorre na sílaba mais intensa da palavra.úmero, baú
v/v/Representa biunivocamente o fonema /v/.viveiro,vereda.
wdáblio/w/Oficialmente excluído da ortografia brasileira, é de uso limitado. Ocorre em palavras de origem estrangeira ou recentemente incorporadas ao idioma. Normalmente representa a semivogal /w/. A tendência do falante brasileiro é substituir o fonema /w/ representado por w pelo fonema /v/. Assim,  a palavra wattpode ser lida como /wat/ ou /vat/.Taiwan,watt, hardware, software
xxis/x/Representa /x/ em algumas ocorrências do fonema.xícara,xadrez
/z/Representa /z/, basicamente em palavras que contém o prefixo ex.exílio, exaustor, existência
/s/Representa /s/ em algumas ocorrências do fonema.experiência, auxílio
/cs/O grafema x é o único dífono do português. Representa a seqüência de dois fonemas /cs/ em algumas palavrassexo, tórax, ônix
yípsilon/y/Oficialmente excluído da ortografia brasileira, é de uso limitado. Ocorre em palavras de origem estrangeira ou recentemente incorporadas ao idioma. Normalmente representa a semivogal /y/.Nova York
z/z/Representa o fonema /z/ em algumas ocorrências do fonema.zebra,zorra,zumbi
/s/Representa /s/ em alguns casos, basicamente quanto este ocorre no final de palavra.voraz, rapaz

Veja também: Conjugador de verbos em Excel

Para provar que existe lógica em nossa língua resolvi criar um conjugador de verbos em Excel. Baixe a planilha e use no celular ou no computador.
Download

Assista ao vídeo, veja como a planilha funciona e entenda melhor o nosso sistema de verbos.

6 thoughts on “Grafemas da ortografia brasileira

  1. O assunto elucidado tematizou a redação de um concurso público coordenado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) para o provimento de vagas na área docente – Ciclo Regular/ SEDUC – Amazonas. A relação dos grafemas com a alfabetização, cujo valor depende do contexto em que eles (grafemas) estão inseridos. O “L” e o “H” foram exemplificados.

  2. Boa noite, gostaria de exemplos de exercícios para séries iniciais onde posso utilizar o método fônico.

  3. Olá Radamés, achei essas informações sobre fonemas e grafemas na língua portuguesa muito interessantes. A sua referência para os os fonemas é o ITA? Você conhece o linguista Leonard Bloomfield?

    1. Olá, Djenane:

      Sim. a referência básica da lista de fonemas brasileiros é o Alfabeto Fonético Internacional, mas com algumas liberdades, pois o AFI é complexo e pouco familiar para a nossa realidade. Conheço o linguista Bloomfield que é um dos mestres da área.

  4. Olá, boa noite. Estou com uma dúvid terrível. Li num livro com o qual estudo pro ENEM “queda”, “tampa”‘ “sempre”, “senta” e “tanto” são eemplos de grafemas mudos! Estou completmente confusa depois que li suas explicações, que me pareceram mvbem mais sensatas! Muito obrigada a quem puder me ajudar!

Sua opinião me interessa