Retórica da oratória

Oratória é a arte do discurso público em tempo real. No discurso oratório é marcante a característica performática. Não basta que ele tenha sido bem planejado, bem redigido, tem de ser bem emitido.

O orador tem de zelar pela sua aparência, pois o ouvinte pode fazer uma transferência icônica a partir da aparência do orador para o conteúdo do discurso. A imagem do orador deve despertar na plateia a impressão por ele premeditada. Para isso, o orador precisa conhecer as expectativas de sua plateia e se beneficiar disso. Esta regra, de moralidade duvidosa, faz a oratória, em certos casos, parecer uma arte de dissimulação.

Retórica

Defeitos a evitar

  • Titubeio: prejudica a imagem do orador. O receptor associa o titubeio à insegurança de personalidade.
  • A velocidade inadequada de entoação, muito lenta ou muito rápida, influi na comunicabilidade. A velocidade ideal é conseguida com a prática.
  • Pronunciar expressões cuja única função é preencher a lacuna de um titubeio. Exemplos: ‘né’, ‘hum’, ‘ahn’. Por vezes, repetem-se as últimas palavras que antecederam o titubeio.
  • Má dicção: é a pronúncia inadequada dos fonemas, que não resultam nítidos ao ouvido do receptor.
  • Pausas de pronúncia que não coincidem com pausas sintáticas. Caso notável é a pausa provocada por falta de ar.
  • Problemas de qualidade da voz: fanhosa, muito aguda ou muito grave.
  • Volume muito fraco ou muito intenso da voz.
  • Uso de variantes de prosódia conotadas pejorativamente pela platéia.
  • Predomínio dos recursos de entoação e gesticulação. É o código lingüístico que deve predominar.

Retóricas específicas

Veja também:

Temos que falar o português correto? Uma questão polarizada há décadas.

Download gratuito:

  Conjugador de verbos em Excel

   Narratologia – a arte de contar histórias

   Elementos de Retórica

Sua opinião me interessa