Átomo: partícula divisível

O lançamento do LHC, o Grande Colisor de Hádrons, me fez pensar no sentido da palavra átomo. Essa palavra vem do grego e é formada pela junção do prefixo a com o radical tomo. Tomo quer dizer parte e o prefixo a indica negação, ou seja, átomo é aquilo que não tem partes, indivisível. Para os gregos Demócrito e Leucipo, o átomo seria o constituinte fundamental da matéria, mas durante séculos esse conceito não passou de uma hipótese tentadora.

No século XIX, os cientistas começaram a se aproximar de um modelo atômico consistente. À medida que o modelo se consolidava ficou claro que o átomo moderno não tinha as propriedades do átomo teorizado pelos gregos há mais de dois mil anos. O que chamamos atualmente de átomo é divisível em partículas menores (prótons, elétrons, nêutrons) e essas partículas, por sua vez, são formadas por entidades ainda mais primordiais (quarks, entre outras).

O nome reservado pelos gregos às entidades primeiras e indivisíveis acabou sendo usado para designar entes intermediários. Quem sabe, se os cientistas do século XIX e XX tivessem controlado seu positivismo a palavra átomo ainda estivesse disponível e à espera de uma comprovação, afinal o que os cientistas buscam com máquinas fabulosas como o LHC é encontrar as partículas fundamentais. Essas ainda aguardam silenciosas no mundo ultra microscópico serem desvendadas.

Letras

Esta categoria traz postagens com assuntos polêmicos, curiosos ou cotidianos envolvendo linguagem.

Sua opinião me interessa