A mulher faz o homem

O escoteiro encontra as raposas

Mr. Smith goes to Washington
Direção de Frank Capra
1939 : EUA :  129 min : branco e preto
Com James Stewart (Mr. Smith),
Jean Arthur (Clarissa),
Claude Rains (Senador Paine) e
Edward Arnold (Jim Taylor)

Somente escoteiros mirins acreditariam na existência de políticos como o senador Smith. Ele é honesto, idealista e tem uma incrível disposição para lutar pelo que acha correto. Está certo que ele é um caipira ingênuo que caiu no ninho das velhas raposas de Washington, mas os filmes de Frank Capra são assim: falam sobre pessoas simples com valores simples.

Mr. Smith (James Stewart) foi designado para o senado americano após a morte do titular da cadeira. O governador que o indicou queria apenas um fantoche para terminar o mandato que não atrapalhasse os planos dos donos do poder local. Mr. Smith foi para Washington e ficou deslumbrado com todos aqueles símbolos patrióticos que ele só conhecia através dos livros escolares. Os problemas começaram para ele quando resolveu apresentar um projeto no senado. Sua intenção era construir um acampamento para escoteiros no seu estado natal. Até aí, nada de errado, mas infelizmente, seu projeto seria erguido em uma área que o poderoso magnata Jim Taylor (Edward Arnold) queria inundar com a construção de uma represa. O senador Smith, que até então só divertia os jornalistas políticos com sua ingenuidade, passou a ser uma pedra no sapato do homem mais poderoso de seu estado. Só vendo o filme para saber como Mr. Smith enfrenta a confusão.


Veja também: Planilha de filmes para cinéfilos

Quer organizar melhor a sua lista de filmes assistidos ou favoritos? Então baixe a planilha a seguir e tenha um controle de suas viagens pelo mundo do cinema.
Download
Assista ao vídeo e veja como a planilha funciona. .

Continue lendo “A mulher faz o homem”

Aconteceu naquela noite

Opostos separados pela Muralha de Jericó

It happened one night
Direção de Frank Capra
1934 : EUA :  100 min : branco e preto
Com Clark Gable (Peter Warren) e
Claudette Colbert (Ellie Andrews)

Há dois tipos de opostos: os que se repelem e os que se atraem. Nessa comédia romântica eterna, no início pensamos que se trata de um caso de ódio à primeira vista, mas o filme vai passando e os astros que comandam o destino giram em suas órbitas.

Uma garota mimada, riquíssima e impulsiva foge de casa porque seu pai não concorda com o casamento dela com um playboy. Um exército de detetives contratado pelo pai se coloca no encalço da moça, além de um bando de jornalistas ávidos por noticiar os escândalos da alta sociedade. Um repórter desempregado e oportunista reconhece a jovem milionária viajando incógnita e vê ali a chance de dar um furo de reportagem. Com propósitos diferentes, os dois começam a viajar juntos em uma jornada repleta de surpresas e conhecimento mútuo.

Continue lendo “Aconteceu naquela noite”

Triunfo da vontade

Triunfo da manipulação

Triumph des villens
Direção de Leni Riefenstahl
1935 : Alemanha :  114 min
Documentário sobre o sexto congresso do Partido Nazista em Nuremberg

Enquanto via a procissão infindável de rostos exibidos em Triunfo da Vontade, veio-me à cabeça uma pergunta: quantos desses arianos sólidos e confiantes estariam vivos onze anos após as filmagens? Não muitos, provavelmente, a começar por Hitler e seus seguidores mais próximos.

Triunfo da vontade é um documentário rodado em uma semana para cobrir o sexto congresso do Partido Nazista de 1934 em Nuremberg. Uma super produção que utilizou 36 câmeras, em sintonia com as dimensões do gigantesco evento promovido por Hitler para consolidar seu poder sobre o partido nazista e sobre a Alemanha. A própria estrutura do congresso foi pensada para favorecer as filmagens, por isso, Triunfo da vontade é mais que um documentário, é História em si. A linha do documentário é anunciada já nos créditos iniciais quando lemos a frase: “Autorizado por ordem do führer.” O próprio ditador sugeriu o nome para o filme, em uma referência à vontade de potência, enaltecida por Nietsche e vista por Hitler como motor da História.

Continue lendo “Triunfo da vontade”