A escrita

A escrita é um caso particular de linguagem gráfica. Especificamente, é uma linguagem gráfica de representação do discurso verbal. Em si, a escrita não é suficiente para expressar pensamentos e gerar mensagens. Essas tarefas cabem à língua, da qual a escrita é dependente. A rigor, a escrita é um sistema de tradução, transmissão e estocagem do discurso verbal em mídia gráfica.

Linguagens gráficas

É comum confundirmos algumas linguagens gráficas não verbais com a escrita, por isso vamos distinguir as características de cada tipo.

Os sinais de trânsito são exemplo de linguagem gráfica não verbal.

Os exemplos acima podem ser lidos por brasileiros, hindus ou alemães. Nesse caso, temos uma linguagem gráfica que independe de um idioma específico, o que não impede que o leitor associe o sinal de trânsito a uma frase em seu idioma materno como: siga em frente, proibido em frente, proibido ultrapassar, etc. Outro exemplo de linguagem gráfica não verbal é a notação matemática.

2 + 2 = 4

A equação acima pode ser lida por falantes de qualquer idioma, desde que conheçam as regras da notação matemática. Um brasileiro pode ler a equação associando-a a um ou mais discursos em português como:

Dois mais dois é igual a quatro.

A soma de dois e dois resulta em quatro.

Dois somado a dois equivale a quatro.

Da mesma forma, um americano pode traduzir a equação dada para o inglês.

Two plus two is equal to four.

A notação matemática é uma linguagem independente de qualquer língua. Claro que é possível traduzir notações matemáticas para discursos orais ou escritos, como fizemos aqui. A notação da Química também é exemplo de linguagem gráfica não verbal.

HCl + NaOH → NaCl + H20

É possível traduzir a equação dada para um enunciado em português como:

A reação de ácido clorídrico com hidróxido de sódio produz cloreto de sódio e água.

Observe que a equação química pode ser traduzida para os mais variados idiomas. Essa tradução é o que se chama de expressão em linguagem natural.

Até aqui, vimos exemplos de linguagens gráficas que transmitem idéias, possuem léxico e sintaxe próprias e independem de qualquer língua mas podem ser traduzidas em discursos verbais. Vamos agora exemplificar casos em que existe uma relação mais estreita entre a representação gráfica e a linguagem verbal.

R$ 10,00

120 cm

90 g

Em português, os exemplos acima são expressos assim, respectivamente:

Dez reais

Cento e vinte centímetros

Noventa gramas.

Nesse caso, estamos diante de um sistema de escrita, pois os sinais gráficos mantêm correspondência praticamente unívoca com o discurso verbal. Em outro idioma, o discurso seria outro mas a relação unívoca persiste. Em inglês, os exemplos podem ser expressos assim:

Ten reais

A hundred and twenty centimeters

Ninety grams.

Veja alguns exemplos de representações gráficas típicas de outros idiomas que podem ser lidas em português:

12 in         Doze polegadas

US$ 100   Cem dólares

200 DM   Duzentos marcos alemães.

Agora vamos dar um exemplo genuíno de escrita:

Oh, que saudades que tenho / da aurora da minha vida … (Casimiro de Abreu)

Os versos acima são um caso inequívoco de escrita porque representam univocamente um enunciado verbal e não admitem leitura em outro idioma que não o português.

A escrita é um sistema de representação da linguagem verbal. Nesse sentido, é um sistema dependente em primeiro grau da língua. Sistemas como o Braile ou o código Morse são dependentes em segundo grau, pois representam a escrita romana que representa a linguagem verbal.

Em resumo: a escrita é um sistema de signos que possui um léxico (grafemas), uma sintaxe (ortografia) e representa de forma unívoca discursos verbais. Ela não é uma linguagem primária, pois depende de outro código.

Veja também: Conjugador de verbos em Excel

Para provar que existe lógica em nossa língua resolvi criar um conjugador de verbos em Excel. Baixe a planilha e use no celular ou no computador.
Download

Assista ao vídeo, veja como a planilha funciona e entenda melhor o nosso sistema de verbos.

Sua opinião me interessa