Categorias morfológicas

Não é fácil definir categorias morfológicas, dada a heterogeneidade do conjunto tradicionalmente levantado pelos linguistas. O melhor em se tratando dessas categorias é fazer uma definição extensiva. Em português, nos interessam as categorias tratadas por soluções baseadas em flexão. Assim sendo, vamos considerar as categorias de número, gênero, pessoa, caso, tempo, modo e aspecto. Poderíamos agregar à lista a categoria de definição, ligada ao uso dos artigos, mas em português esta categoria é um caso limítrofe que precisa de abordagem à parte.

Morfologia

Em outros idiomas, temos mais categorias como locativa, voz e categorias de caso mais ricas que a existente em português.

De forma simplificada, consideramos categoria morfológica a solução baseada em flexão, usada na língua para agregar traços específicos ao significado da palavra. Esses traços se distribuem de forma complementar, ou seja, quando um está presente, fica implícita a ausência do outro e todas as ocorrências possuem um dos traços possíveis.

Número

Nosso sistema de flexão em número comportasingularplural. Línguas como o grego apresentam singular, dual e plural. A categoria número tem função semântica, pois indica singularidade ou pluralidade do significado do termo flexionado. Também apresenta função sintática, pois as frases em português seguem regras de concordância em que alguns termos da frase devem concordar entre si em número.

Gênero

Em português, há dois gêneros: feminino emasculino . Não utilizamos o neutro, presente em idiomas como inglês e alemão.

Em alguns casos, a função da categoria gênero é semântica, como nos pares a seguir:

O menino/a menina, o gato/a gata

Nos exemplos dados, a categoria gênero define um traço semântico, ou seja, estabelece o sexo do ser representado pelo substantivo.

Em português, muitos substantivos a que não pode associar característica de sexo, têm gênero implícito. É o que se vê na série a seguir:

O garfo, a colher, a faça, o prato.

Não é possível atribuir característica semântica de sexo aos substantivos do exemplo, mas em português mesmo substantivos assexuados estão associados convencionalmente a um gênero para garantir o funcionamento das regras de concordância sintática.

Grau

Em português, há dois sistemas de flexão de grau: o diminutivonormalaumentativo, típico dos substantivos e adjetivos e o sistema normalsuperlativo, usado com adjetivos.

Não temos flexão de grau comparativo como ocorre, por exemplo, no inglês.

John is tall. (João é alto)

John is taller than Paul. (João é mais alto que Paulo.)

John is the tallest. (João é o mais alto.)

Caso

O caso está presente em nossa língua nas flexões dos pronomes pessoais. Observe o exemplo:

Eu pedi o livro a ele.

Ele entregou o livro a mim.

Nas duas frases, o mesmo ente é representado ora por eu, ora por mimEumim têm funções semelhantes mas são usados em contextos diferentes. Eu é empregado quando o pronome está em posição de sujeito da frase e mim, quando em função de objeto. Quando um lexema é flexionado segundo a função sintática que desempenha na frase, temos flexão de caso.

Em português, os pronomes pessoais apresentam duas flexões de caso: oblíquoreto.

A flexão de caso dos nossos pronomes pessoais é um resíduo do latim que permaneceu em nossa gramática. Em latim, o uso das flexões de caso é bem mais intensivo, tanto que os substantivos em latim clássico apresentavam seis flexões de caso.

Pessoa

A categoria de pessoa é usada para discriminar as pessoas do discurso. Elas são três no português: primeira (quem fala), segunda (a quem se fala) e terceira (de quem se fala).

Tempo

Esta categoria morfológica também é típica dos verbos. Em nosso sistema verbal temos basicamente três tempos: futuropassado epresente.

Modo

A categoria de modo está presente no sistema verbal do português. O verbo pode ser flexionado em três modos diferentes: imperativoindicativosubjuntivo. Simplificadamente, o modo indicativo é empregado para indicar ações de consumação certa, o subjuntivo para expressar ações hipotéticas ou o desejo de que determinada ação venha a se consumar e o imperativo é usado para incitar à ação.

Aspecto

Não existe só uma categoria de aspecto em português, mas três, que agrupamos em uma só por se manifestarem em apenas algumas flexões do sistema verbal.

De afirmação

O aspecto de afirmação está presente nas flexões verbais do modo imperativo. Este tempo verbal pode ter aspecto afirmativo, quando se incita positivamente à ação ou negativo, quando se incita à não consumar a ação.

De consumação

O aspecto de consumação ocorre nas flexões verbais do futuro do modo indicativo. Este aspecto pode ser confirmado, caso a ação seja considerada como certa no futuro ou então,cancelado, quando a ação é dada como não passível de consumação futura.

De duração

O aspecto de duração está presente nos tempos verbais do modo indicativo passado. Temos o aspecto pontual que indica ações consumadas em um momento específico. O aspecto durativoindica ações que se estendem para aquém e além de uma determinada marca temporal no passado. O aspecto imperfeito indica ações continuadas no passado. Por fim, o aspecto anterior indica ação consumada num passado anterior a uma marca temporal do passado.

Outras categorias morfológicas

Existem mais categorias morfológicas em outros idiomas. Em português, não temos flexão de voz, como ocorre, por exemplo, no latim clássico. Em nossa língua, a distinção de voz é feita com soluções sintáticas que dispensam flexão.

O artigo: morfema flexivo de definição

A Gramática Tradicional e as convenções de escrita estabelecem que artigo é palavra, o que contraria a definição de palavra como forma livre mínima. Mas se admitirmos que artigo é morfema flexivo, então, temos mais uma categoria de flexão no português: a definição. A categoria flexiva definição supre a necessidade semântica de distinguir entre dualidades como: particular/genérico, próprio/comum, definido/indefinido. Os artigos do português apresentam flexão definidaindefinida.

Finitude

A Gramática Tradicional considera a categoria de finitude,  específica dos verbos. Há duas opções de finitude: finitainfinita. A flexão do verbo é finita quando porta informação de tempo e modo e infinita quando indeterminada em tempo e modo.

São finitas flexões como: fizemosfazíamos efaremos.

São infinitas: fazerfazendofeito.

A rigor, a categoria de finitude pode ser tratada como a categoria das flexões indefinidas em tempo e modo. Tudo depende de como classificamos as flexões verbais em português. Optamos por desconsiderar a categoria de finitude em nossa análise porque não há prejuízo em tratar as flexões infinitas como indeterminadas em tempo e modo. Com isso, simplificamos a classificação.

Resumindo as possibilidades de flexão de cada categoria morfológica do português temos a seguinte tabela:

CategoriaFlexões
NúmeroPlural e singular
GêneroFeminino e masculino
GrauAumentativo, diminutivo, normal, e superlativo
CasoOblíquo e reto
PessoaPrimeira, segunda e terceira
TempoFuturo, passado e presente
ModoImperativo, indicativo e subjuntivo
Aspecto de afirmaçãoNegativo e positivo
Aspecto de consumaçãoCancelado e confirmado
Aspecto de duraçãoAnterior, durativo e pontual
DefiniçãoDefinido e indefinido

Veja também:

Temos que falar o português correto? Uma questão polarizada há décadas.

Download gratuito:

  Conjugador de verbos em Excel

   Narratologia – a arte de contar histórias

   Elementos de Retórica

1 pensou em “Categorias morfológicas

  1. encontrei o que procurava , muito obrigado passei a saber mais sobre as categorias morfologicas ,muito importante isso otimo trabalho da vossa parte PARABENS

Sua opinião me interessa