Derivação de classe morfológica

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

A Gramática Tradicional costuma reservar um capítulo ao estudo das mudanças de classe morfológica das palavras. Faz isso partindo da observação de ocorrências como as apresentadas a seguir:

Viver é muito perigoso.

verde é a cor preferida da estação.

O novo filme do Homem Aranha estréia em breve.

desvairado saiu correndo.

Nos exemplos acima, alguns gramáticos identificam mudanças de classe morfológica nas palavras em negrito. Viver, supostamente verbo, aparece como sujeito da oração, uma característica típica dos substantivos. Verde, supostamente adjetivo, aparece com características de substantivo. Aranha, supostamente substantivo, é identificado como modificador de homem, função típica de adjetivos. Do mesmo modo, desvairado, considerado adjetivo, está na frase em posição de substantivo.

Esse modelo de análise se lastreia no princípio de que cada palavra pertence intrinsecamente a uma classe morfológica. Bem, existem motivos para considerar que viver é intrinsecamente um verbo. Um deles é o fato de a palavra ser formada por um radical e uma desinência verbal. Aparentemente, viver é uma palavra ‘talhada’ para ser verbo, mas na verdade, a palavra quando avulsa, não pertence a nenhuma classe morfológica. Só quando situada no contexto do discurso é que se pode associá-la a uma classe morfológica. Não podemos dizer simplesmente:verde é adjetivo. A palavra verde na frase a grama é verde, sim, pode ser considerada adjetivo. Podemos, sim, dizer que verde é uma palavra que em boa parte das ocorrências aparece como adjetivo. Esse tipo de informação encontramos nos dicionários. O que fazem os dicionaristas, senão nos informar sobre as tipicidades de uso das palavras? Mas não podemos afirmar que verde é intrinsecamente adjetivo.

Mais modernamente, alguns gramáticos passaram a afirmar que os exemplos dados de palavras que ‘mudam’ de classe atestam a inconsistência das definições de verbo, substantivo e adjetivo e que seria necessária uma revisão dessas classes para dar conta de ocorrências como as exemplificadas. Na verdade, a mudança de classe gramatical é um falso problema que pode ser resolvido com uma reflexão mais aprofundada. Vamos analisar os exemplos dados.

Viver é muito perigoso.

Para começar, observe que nessa frase o ‘verbo substantivado’ está no infinitivo. O infinitivo é uma flexão especial que pode ser usada para citar a ação expressa pelo verbo. No exemplo dado, o verbo viver não está sendo usado. Estamos, de fato, citando o ato semanticamente ligado ao verbo, ou seja, o ato de viver. Em frases comoDirigir requer atenção, a palavra dirigir é substantivo porque designa um ato. A ação de dirigir é que está sendo denotada. Na frase dada, temos um substantivo (viver) gerado por derivação de classe morfológica do infinitivo do verbo viver. Trata-se de um problema que se resolve pela diferença entre uso e menção.

verde é a cor preferida da estação.

O problema dos adjetivos que ‘mudam’ para substantivos também pode ser resolvido com uma análise de uso e menção. Em enunciados comobanana amarelacéu azul ou neve branca, atribuímos qualidades aos objetos expressos pelos substantivos. Fazemos isso empregando adjetivos. Em enunciados como o verde acalma, estamos citando a qualidade, em vez de atribuí-la a um objeto. Em português, geralmente, a sinalização que diferencia o uso da menção dos atributos de adjetivos é feita pelo emprego do artigo. Quando citamos o atributo usamos a combinação artigo mais adjetivo. Daí, temos: o escuroo amargoo áspero. Observe que existe um gênero implícito para essas ocorrências. Note também que existem, em muitos casos, palavras equivalentes para a mesma função como: a escuridãoa amarguraa aspereza. Trata-se de um caso de derivação de classe morfológica.

O novo filme do Homem Aranha estréia em breve.

A análise desse caso é simples. Aranha não está modificando homem. Trata-se de uma locução gerada por justaposição. Dois substantivos são postos lado a lado mas nomeiam um só ser que possui dupla característica, de homem e de aranha. Resultado similar teríamos se disséssemos Homem e Aranha.

desvairado saiu correndo.

Aqui, o caso é de substituição metonímica. O ser é substituído pelo seu atributo. Muito comum na língua, esse tipo de metonímia costuma ser sinalizado pelo emprego do artigo diante do atributo. Temos uma derivação metonímica.

Vamos finalizar com um exemplo extremo de uso e menção.

Verde é adjetivo.

Partindo do modelo da mudança de classe, chegaríamos à conclusão que a frase é no mínimo paradoxal, já que expressa uma afirmação desmentida por ela mesma. Mas se fizermos uma análise de uso e menção, percebemos que verde, não está sendo usado e, sim, mencionado. A frase se refere à palavra verde, não à cor verde, nem tampouco atribui a cor verde a um objeto. Trata-se de uma frase metalingüística. Por um processo metonímico de substituição, a palavra é utilizada para citar a si mesma.

Das análises dos exemplos anteriores, podemos tirar certas conclusões. Uma delas, é que as palavras não portam uma classe gramatical implícita, mesmo quando apresentem características morfológicas típicas de uma classe específica. Outra, é que as palavras não assumem qualquer classe morfológica indiscriminadamente. Existem situações bem definidas em que ocorre a derivação de classe. Podemos citar algumas:

  • A ação denotada pelo verbo é citada. Nesse caso, emprega-se a forma infinitiva impessoal. Verbo deriva em substantivo.
  • A ação denotada pelo verbo modifica um item como advérbio. Nesse caso, emprega-se a forma gerúndio. Verbo deriva em advérbio.
  • A ação denotada pelo verbo modifica um item como adjetivo. Nesse caso, emprega-se a forma particípio. Verbo deriva em adjetivo.
  • O atributo substitui o ente. Adjetivo deriva metonimicamente em substantivo ou pronome.
  • O atributo denotado pelo adjetivo é citado. Adjetivo deriva em substantivo.
  • O atributo denotado pelo adjetivo é aplicado a um verbo. Adjetivo deriva em advérbio.

Feitas as considerações devidas, fica uma questão residual. A palavra verde usada como adjetivo e a palavra verde usada como substantivo são a mesma palavra? Do ponto de vista fonológico temos a mesma realização vocal nos dois casos. Na perspectiva sintática e semântica, temos duas ocorrências distintas. Temos que lembrar ainda que uma ocorrência deriva da outra. Realmente não é fácil dizer se estamos diante de uma palavra com dois empregos distintos ou de duas palavras com a mesma realização fonológica. Cremos que esta é uma questão indecidível. Fica a critério de cada um optar pelo que lhe parece mais razoável.

Sobre Radamés

Engenheiro químico curitibano pela UFPR, produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.
Esse post foi publicado em Morfologia com a(s) tag(s) , , . Coloque o link permanente como favorito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


8 × nove =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>