Metaplasmo

Genericamente, um metaplasmo é uma alteração intencional do código, é exercício de criatividade sobre a língua. Os metaplasmos são praticados nos diversos níveis lingüísticos: gráfico, ortográfico, fonológico, gramatical.

Nosso  interesse está voltado para o uso retórico dos  metaplasmos, mas uma parte deles se difunde pelo uso e acaba levando à alterações diacrônicas do idioma.  Além disso, existe uma relação estreita entre a criação de  metaplasmos para uso retórico e a criação de léxico e gramática.

A seguir, sem pretensão de classificar nem de ser exaustivo, alguns tipos de metaplasmo:

  • Icônico: cria uma iconia. Exemplo: uma empresa de laticínios deu a um de seus produtos o nome de ‘mu-mu’.
  • De extrapolação: extrapola as características do código. Caso típico é a criação de palavras a partir de morfemas da língua.
  • Cobertura de defectividade: Quando o código é defectivo, às vezes essa defectividade pode ser suprimida por um metaplasmo.
  • Metaplasmos clássicos: São típicos na poesia anterior ao Modernismo. Visam basicamente regularizar a métrica e costumam ser divididos em fonológicos: elisão, sinérese, diérese, etc., e morfológicos: prótese, síncope, apócope, etc.
  • Elíptico: resultam da elipse de parte de um termo.

Criação de léxico e de gramática

Saussure já dizia que exceto alguns signos lingüísticos icônicos, como as onomatopéias, a grande maioria deles tem relação arbitrária com seu significado. Realmente assim é para o signo enquanto objeto. Já com relação aos mecanismos de formação de nomes e neologismos, podemos dizer, imitando Quintiliano, que liberdade total para criar palavras só tiveram aqueles homens boçais dos primeiros tempos, que nomeavam conforme a primeira sensação que lhes causava o contato com as coisas. A arbitrariedade na criação de léxico e de gramática é a exceção. Na maioria esmagadora dos casos, os nomes e os neologismos se formam a partir de palavras existentes, por vários meios, raramente arbitrários, muitos deles derivados de mecanismos de associação de significados. Os mecanismos de criação de léxico e  de gramática costumam ser os mesmos com que se fazem os metaplasmos.

Aqui são classificados alguns  mecanismos pela relação entre a origem e o resultado.

  • Por elipse: Elimina-se parte da origem. Exemplo: pneu por pneumático. Siglas: ONU por Organização das Nações Unidas.
  • Por junção: Afixação. O caso mais comum é o dos afixos que são morfemas. Condensação: Exemplo: embora por em boa hora. Não deixa de ser um mecanismo de elipse. Justaposição: Exemplo: guarda-chuva.
  • Por polissemia: Metafórica, metonímica, arbitrária, irônica, alegórica. Por polissemia é criada boa parte do léxico de Informática, por exemplo, que é  uma área fervilhante no aspecto lingüístico. Basta lembrar de termos como mousemenusurfarweb.
  • Por empréstimo de outro léxico.
  • Por criação arbitrária.
  • Por derivação gramatical.

Acomodação prosódica

São as alterações fonológicas de um vocábulo para melhor se adaptar às tendências dominantes de pronúncia do idioma.

Sua ocorrência é típica para os termos que são incorporados  por empréstimo ao léxico. As acomodações prosódicas estão fora do domínio retórico e as leis que as regem são as da lingüística. Não há manipulação retórica da acomodação prosódica.

Simbolização

A criação de léxico é criação de símbolos. Um símbolo representa alguma coisa convencionalmente em determinado contexto da cultura. A simbolização é uma categoria antropológica. Na lingüística, a simbolização tem uma característica especial: o símbolo é palavra e como tal na maioria dos casos tem uma relação arbitrária com a coisa simbolizada. Mas o significante que origina o símbolo, no início do processo, geralmente, se referia a outra coisa, a algo que mantinha com o simbolizado uma relação especial, não arbitrária. Assim, se a locução ‘calcanhar de Aquiles’ simboliza a fraqueza, é inegável a arbitrariedade da relação entre o significado ‘fraqueza’ e o significante ‘calcanhar de Aquiles’, mas igualmente é inegável a não arbitrariedade entre o significado ‘fraqueza’ e o significado imediato de ‘calcanhar de Aquiles’. Neste sentido, a simbolização lingüística raramente é arbitrária. A rigor estamos diante de dois símbolos: o primeiro é a palavra tomada como coisa, o segundo, é o sentido imediato, original da palavra.

A origem da simbolização lingüística geralmente é metafórica ou metonímica. A relação entre o que é significado e o seu significante geralmente é arbitrária, eventualmente icônica.

Grupo fraseológico

Grupo fraseológico ou frase feita é a frase que se consagrou pelo uso repetido em contextos semelhantes, ganhando condição de léxico. Exemplos: ‘Dar com burros n’água.’ ‘Matar cachorro a grito.’


Veja também: Conjugador de verbos em Excel

Para provar que existe lógica em nossa língua resolvi criar um conjugador de verbos em Excel. Baixe a planilha e use no celular ou no computador. Download Assista ao vídeo, veja como a planilha funciona e entenda melhor o nosso sistema de verbos.

A frase feita é repetida sem alterações, exceto as flexões de concordância necessárias ao contexto.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Sua opinião me interessa