A diferença entre edição e manipulação de imagens

Sabemos que o Photoshop faz milagres que nenhum cirurgião plástico seria capaz. Esse software remove celulite, empina bumbum e aumenta seios como se fosse mágica. Estamos falando do exemplo clássico da manipulação de imagens, mas a manipulação vai além. Quando abrimos uma embalagem de pizza pronta e encontramos um produto chocho que em nada lembra a foto apetitosa que está na tampa aí temos manipulação a serviço da propaganda enganosa.  O mesmo acontece quando chegamos a um parque aquático e não encontramos aquela água azul e cristalina que vimos no prospecto da agência de turismo. Mais grave ainda é a multiplicação de eleitores em comícios de políticos inescrupulosos. Vamos lembrar que a manipulação de imagens é anterior ao Photoshop; prova disso é a foto abaixo em que Kamenev e Trotsky foram apagados a mando de Stálin na tentativa de reescrever a história russa. Esses casos de alteração indevida podem nos levar à conclusão que toda modificação da imagem original é maligna, mas o fato é que raramente uma foto nasce pronta. Quase todas precisam de algum tratamento, inclusive para deixá-las mais naturais e verdadeiras.

Lenin discursando

Edição, tratamento, manipulação, processamento; não existe um acordo entre os fotógrafos sobre as palavras que deveríamos usar para diferenciar as alterações necessárias e benignas daquelas que levam a uma percepção deturpada da imagem. Neste artigo chamamos de edição as mudanças que melhoram a qualidade da imagem original e por manipulação vamos entender as alterações mal intencionadas. E que fique bem claro: os recursos técnicos que o fotógrafo dispõe para editar ou manipular são exatamente os mesmos, só variam no grau ou na intenção com que são utilizados. O Photoshop está aí para o bem e para o mal.

Para mostrar que a edição é necessária e bem-vinda vamos partir de dez casos corriqueiros de edição mostrando a foto antes e depois:

1. Giro

Precisamos girar a foto para nivelar a linha do horizonte ou para criar linhas de concordância entre a imagem e suas bordas. O giro remove partes da foto original, por isso, fotógrafos ninja capturam a imagem bem nivelada, o que nem sempre é possível, infelizmente.

Ilha do MelIlha do Mel

A foto acima foi girada em 1,5 grau para deixar o horizonte da Ilha do Mel perfeitamente horizontal.

Castelo de Praga

Castelo de Praga

O giro na foto acima alinhou a base das estátuas do portão do Castelo de Praga.

2. Proporção

A maioria das câmeras captura imagens na proporção 2:3, que não é ideal para todas as situações. A proporção da imagem deve ser escolhida em harmonia com o motivo fotografado e com o uso que terá. O recorte pode servir para concentrar a imagem eliminando o supérfluo.  Como essa edição elimina partes da foto é preciso cuidado para não remover itens essenciais ao contexto e cair na manipulação.

Capivara

Capivara

A proporção quadrada (1:1) concentra a imagem da capivara capturada em 2:3.

Parque Barigui Curitiba

Parque Barigui Curitiba

A proporção 16:9 é mais panorâmica e se harmoniza com a horizontalidade da imagem do Parque Barigui em Curitiba.

3. Enquadramento

O recorte pode concentrar a imagem, melhorar a composição, eliminar o supérfluo, realçar a simetria, entre outras vantagens. Fica só o aviso para não descontextualizar a foto senão é manipulação. O ideal ninja, obviamente, é capturar as fotos no melhor enquadramento para não desperdiçar nenhum pixel, só que a realidade é dura.

Catedral de Dresden

Catedral de Dresden

O recorte melhorou a simetria dessa imagem do interior da Catedral de Dresden.

4. Exposição

Controlar a quantidade de luz que entra na câmera é essencial para obter uma boa fotografia.  Uma exposição perfeita não é fácil de conseguir principalmente quando a cena tem áreas com diferentes níveis de luminosidade.  O ajuste da exposição pode deixar a foto mais próxima do que o nosso olho captaria.

Parisi Udvar Parisi Udvar

O ajuste de exposição área por área ajuda a ver melhor os detalhes dessa bela galeria (Parisi Udvar) em Budapeste.

5. Temperatura de cor

As cores da foto são afetadas pela fonte de luz que ilumina o ambiente. Cada fonte de luz tem sua temperatura de cor. Para deixar a foto mais realista, às vezes é preciso ajustar a temperatura, especialmente quando temos fontes de luz com temperaturas diferentes no mesmo ambiente.

Portão de Brandenburgo

Portão de Brandenburgo

Ajustes na temperatura de cor deixaram menos azulada essa foto do Portão de Brandenburgo tirada no final da tarde em Berlim.

6. Correções de equipamento

Aberração cromática é o nome aberrante para um defeito comum nas fotos. São contornos coloridos que aparecem na imagem por causa de imperfeições das lentes. Ocorrem mais com lentes de pouca qualidade, mas também acontecem com lentes caras. Felizmente, é fácil remover os contornos com um bom software de edição. Outras distorções conhecidas podem ser corrigidas em um editor que ajusta o perfil de cada equipamento.

Essa foto tinha uma leve aberração cromática.

7. Ruído

O ruído de sensor aparece quando aumentamos a sensibilidade para conseguir fazer a foto com pouca iluminação. O ruído deixa a foto com textura granulada. Com auxílio de software, em muitos casos, é possível reduzir o ruído sem comprometer a naturalidade da foto.

8. Defeitos

Poeira, gotas d’água, reflexos internos (flare) e marcas de digitais na lente comprometem a qualidade da imagem e uma edição para remover essas imperfeições é aceitável.

mancha de poeira

Poeira na lente.

9. Elementos estranhos

Indo além na remoção de  “imperfeições”, seria aceitável em alguns casos remover elementos estranhos ao contexto da cena e que só levam à distração e ao ruído. Todo o cuidado é pouco nessa hora.

Esquilo

Esquilo

Com bituca e sem bituca de cigarro.

A utilização comercial de fotos exige que a remoção de elementos como logomarcas e placas de automóvel para não ferir direitos comerciais e de privacidade. Fica bem estranho olhar a foto de um prédio e não encontrar a logomarca da empresa que funciona ali e que todo mundo vê quando passa em frente. No entanto, essa prática é comum nos bancos de imagens.

10. Presença

É comum o fotógrafo olhar para a foto na tela e pensar: Mas ao vivo essa cena tinha mais vida! Nessa hora, é possível usar de recursos como brilho, saturação, vibração, claridade, níveis, curva de tons, contraste, etc. para ajustar as cores e a luminosidade da imagem.  Esses recursos, porém, devem ser usados com moderação pois quem persegue a naturalidade não pode cair na tentação diabólica de dourar a realidade.

Parlamento húngaro

Parlamento húngaro

Um pequeno ajuste na curva de tons dá mais vida à foto do parlamento húngaro.

A maioria das técnicas de edição é dispensável se a captura for impecável, logo quem quer passar longe do Photoshop tem que suar para acertar a foto de primeira na hora do clique. Há quem diga que o excesso de cuidado com a produção da foto também compromete sua naturalidade e que um pouco de desfoque ou de reflexos podem dar um charme à foto. Na foto abaixo você removeria o tênis pendurado no tridente de Netuno e o arco íris que se formou na base da fonte?

Fonte de Netuno, Berlim.

Além do mais, o compromisso com o realismo é uma linha de pensamento entre outras. Funciona bem em foto jornalismo e para proteger o consumidor contra propaganda enganosa, mas será que a revista Playboy deveria mostrar a celulite das modelos? Talvez os leitores prefiram ser enganados a encarar um choque de realidade.

.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Sua opinião me interessa