Os infiltrados

Quando o mau é bom e o bom é mau

The departed
Direção de Martin Scorsese
2006 : EUA :  149 min
Com Leonardo DiCaprio (Billy Costigan),
Matt Damon (Colin Sullivan),
Jack Nicholson (Frank Costello) e
Vera Farmiga (Madeleine)
Site oficial: thedeparted.warnerbros.com

Os infiltrados parte de um enredo engenhoso: o policial Billy Costigan (DiCaprio) se infiltra na gangue de Frank Costello (Nicholson) ao mesmo tempo em que o gangster Collin Sullivan (Matt Damon) inicia carreira na polícia de Boston. Em pouco tempo ambos sobem na hierarquia das organizações em que atuam. Billy (o bom) consegue entrar no círculo do velho mafioso e Collin (o mau) é promovido no departamento de polícia. Porém, uma sucessão vertiginosa de incidentes faz com que os dois lados farejem a existência dos infiltrados. A partir daí, começa uma caçada em que o bom e o mau perseguem um ao outro. Essa trama simétrica serve para Martin Scorsese fazer aquilo que é sua especialidade: mostrar o mundo do crime por dentro.

Os infiltrados é violento, tenso e surpreendente. O bom e o mau vão se aproximando cada vez mais, através das pistas deixadas pela violência. Em um plano mais sutil podemos falar em uma aproximação metafórica, pois ambos são obrigados a se transformar nas máscaras que vestiram. O bom, esmagado pela pressão psicológica, torna-se violento. O mau, em dado momento pensa em mudar de vida. Felizmente, nesse filme não se dá a fusão entre o bom e o mau, nem há um mergulho no relativismo. Isso é uma novidade nos filmes de gangster dirigidos por Scorsese, que sempre preferiu focar nos criminosos sem fazer juízo sobre a conduta deles. No final de Os Infiltrados, o bom continua íntegro e o mau permanece sendo aquilo que sempre foi, porque sob condições extremas cada um escolhe o lado da força a que se vai servir.

Billy Costigan tem dificuldades para representar o papel que lhe foi reservado. O convívio com os gangsters o deixa atormentado e o leva à beira de um colapso nervoso, mas ele quer provar a si mesmo e aos outros que tem valor. Billy vem de uma família envolvida com a criminalidade e ele quer se libertar dessa promiscuidade com o mal. Na verdade, foi mexendo com os brios do rapaz que seus superiores conseguiram recrutá-lo para essa missão ingrata e perigosa. Provaram a ele que só trabalhando como infiltrado ele seria aceito no lado do bem.

Collin Sulivan conheceu o mafioso Frank Costello ainda na infância e desde então foi fiel ao chefão. Decididamente, Collin está do lado negro da força. Seus estudos na academia de polícia foram custeados pelo chefão que queria plantar um infiltrado na corporação. Collin se sai bem como policial, afinal conhece o modo como os bandidos agem e tem informações privilegiadas. Collin chega a ter uma recaída para o bem ao se envolver com a psiquiatra Madeleine com quem tem um romance dentro do figurino indicado para um bom moço. Collin não tem problemas para representar o papel que lhe coube. Fingir de policial para ele chega a ser divertido.

Frank Costello é o chefão. Bem, esse cara é a encarnação do mal e quando Jack Nicholson faz um vilão pode pagar o dobro pelo ingresso que vale a pena. Astuto, sanguinário e culto. Para Costello a violência é poesia, uma obra de arte que ele, como ícone do crime, tem que criar em grande estilo. Costello está velho, poderia se aposentar, mas prefere continuar na ativa porque adora o que faz.

Madeleine (Vera Farmiga) é psiquiatra e se envolve tanto com Collin como com Billy. De certa forma, Madeleine é uma tábua de salvação para os dois perdidos no mar escuro. Madeleine é insegura, indecisa, mas íntegra. Collin e Billy a desejam, embora um não saiba da existência do outro. Madeleine prefere Collin, pois supostamente, ele é do bem, e Billy, parece ser do mau embora ele tenha uma autenticidade e carência que ela adora. Bem, até mulheres sensíveis, inteligentes e com diploma de psiquiatria se enganam sobre os homens.

Os infiltrados se desenvolve em um crescendo contínuo. No final, a violência vai a um limite chocante em que corpos começam a cair no chão subitamente, sem nenhum aviso prévio. Para quem espera um final feliz, encontrará algo mais próximo da realidade com a morte levando indistintamente tanto os bons como os maus. Fazer o que? Há amplas compensações. Os diálogos de Os infiltrados são cortantes; as peças do enredo se encaixam milimetricamente; os personagens são densos; as interpretações, ótimas. Um filme violento sobre caras durões que vivem no fio da navalha, um legítimo Scorsese. Para ser consumido nos grandes momentos.


Veja também: Planilha de filmes para cinéfilos

Quer organizar melhor a sua lista de filmes assistidos ou favoritos? Então baixe a planilha a seguir e tenha um controle de suas viagens pelo mundo do cinema.
Download
Assista ao vídeo e veja como a planilha funciona. .

Marcante

  • O infiltrado Collin finalmente consegue o número do infiltrado  Billy. O celular toca para Billy que atende, mas não diz nada. Nenhuma palavra de ambos os lados. Silêncio absoluto na tela. Um silêncio ensurdecedor.

Autor: Radamés

Engenheiro curitibano pela UFPR, professor e produtor de conteúdos e ferramentas educacionais para a Internet.

Sua opinião me interessa